Quando a Morte conta uma história, paramos para assistir?

Clique na imagem para assistir ao trailer do filme.

Clique na imagem para assistir ao trailer do filme.

*A indicação abaixo é livre de spoilers*

Mais um título literário que vai as grandes telas, A Menina que Roubava Livros (The Book Thief), é uma ótima adaptação literária, que traz uma boa história saída dos livros (sobre uma jovem amante dos livros) para o cinema, sendo mais um livro best-seller que se torna um sucesso nas bilheterias. Mas qual o segredo por trás disso?

Gosto de pensar que um livro não se torna um sucesso de vendas se o mesmo não é bom, porém há muitas definições de bom, estas passam desde histórias genéricas de amor, heroísmo, sucesso na vida financeira e afins, mas há aqueles livros, aqueles que não aparecem com grande frequência, que merecem nossa atenção e ganham também a atenção do grande público leitor, com uma história cativante, de fácil leitura (tanto na fluidez do livro quanto na estruturação do romance) e com algum elemento curioso, que neste caso podemos dizer que a contra-capa do livro já nos revela qual é: “Quando a morte conta uma história, você deve parar para ler”, a não ser que você já tenha lido o sensacional Intermitências da Morte, de José Saramago, temos que admitir que não é uma característica muito recorrente, o narrador do livro é A Morte.

Bom talvez o diretor, nem-tão-conhecido Brian Percival, tenha achado melhor ser O Morte, no filme com a voz de Roger Allan (“England Prevails!”¹), o filme começa com sua voz anunciando o destino de toda a vida e já revelando nossa simpática protagonista, Liesel Meminger (Sophie Nélisee) e sua triste história até chegar ao lar dos Hubbermann. Hans (Geoffrey Rush) e Rosa (Emily Watson) se tornam seus humildes pais. A partir deste ponto toda a história será ambientalizada em uma região pobre pobre de uma cidade da Alemanha, partindo do ano de 1939, época da ascensão do regime nazista.

Markus Zusak, o autor do livro, não peca em momento algum em descrever as dificuldades de infância na Alemanha nazista, alimentada pelo medo e insegurança devido aos acontecimentos que são apresentadas no decorrer da história. Há muitos outros romances que retratam este período histórico, alguns não ficcionais, que chamam a atenção do leitor por trazer de volta assuntos como o holocausto, regimes totalitários, guerra e racismo.

Porém esta produção, tanto do livro quanto no filme, está focada nas relações familiares e no poder da amizade. Traz também outros temas como a importância da literatura e da música, que atravessam o livro deixando uma característica singular muito marcante.

Talvez sejam estas bases que deixam o livro tão atraente ao leitor, facilidade na leitura, base histórica, e bons temas transversais. Tudo isso somado ao grande investimento da industria cinematográfica, e é claro alguém que faça uma adaptação do texto para não decepcionar os fãs, só poderia resultar em outro sucesso, agora nas bilheterias. Gostaria que a trilha sonora fosse um pouco mais explorada porém o filme em geral me agradou e mereceu minha recomendação.

Ainda há tempo de assistir nos cinemas. Se ainda não foi corre lá e depois diz aqui nos comentários o que achou, combinado?

 ¹ – A frase é de V de Vingança, em sua adaptação para o cinema Roger Allan foi Lewis Prothero, ancora do programa ‘The Voice of London’ (A Voz da Inglaterra), que tinha seu bordão “England Prevails!” (A Inglaterra Triunfa).

Filipe Baldin

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s