Geraldo Azevedo, Edu Lobo e Fagner falam sobre o Carnaval de Recife 2015

Palco Marco Zero (Foto: G1)

Palco Marco Zero (Foto: G1)

Na última sexta-feira (13), o Recife Antigo mais uma vez foi tomado por um mar de multidão para o início do carnaval 2015. Há 14 anos, Naná Vasconcelos abre as ruas com os batuques dos tambores até o grande palco no Marco Zero. Os homenageados deste ano foram o bloco Bola de Ouro e o Maestro Spok.

Durante a abertura, diversos artistas subiram no palco para se apresentarem ao lado de Naná Vasconcelos e Maestro Spok. Os foliões se empolgaram com as músicas de Elba Ramalho, Fafá de Belém, a cabo-verdiana Lura, Fagner, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Edu Lobo, entre outros.

O Livre Opinião – Ideias em Debate esteve no primeiro dia do carnaval do Recife e bateu um papo com Geraldo Azevedo, Edu Lobo e Fagner, que comentaram sobre a experiência que a festa na capital de Pernambuco proporcionou. Para Geraldo Azevedo, veterano de festa no Recife, “o carnaval de Pernambuco é o melhor do mundo. É democrático, onde a música predomina e os foliões estão todos na rua com a gente abrindo a festa no Marco Zero”. Ele ainda explicou “o carnaval daqui tem Frevo, Maracatu e Caboclinhos. Eu me identifico muito com esta época. Desde criancinha eu faço carnaval”. “O Carnaval é um momento especial para o brasileiro. É também o momento de soltar a franga (risos) e colocar tudo para fora, principalmente as mágoas. Vamos celebrar a vida! Eu fico orgulhoso de fazer parte disso. Sou um missionário, faço parte desta pulsação musical e sempre vou defender a cultura do Brasil”, definiu o cantor e compositor, dono das clássicas Ai Que Saudade D’ocê, Dia Branco, Moça Bonita.

Com setenta anos mais que comemorados, Edu Lobo se apresentou ao lado do Maestro Spok no palco principal do Marco Zero. Para o cantor e compositor, vencedor do histórico Festival da Música Brasileira de 1967, com a música Ponteio, juntamente com Marília Medalha, além de assinar composições que influenciaram gerações, o Recife é uma cidade especial: “Eu vim para o Recife muitas vezes, meu pai e minha mãe são pernambucanos. Os primeiros oito anos da minha vida eu passei aqui, nas chamadas férias grandes. Quando eu viajava para o exterior, Recife era o lugar que mais tinha saudade”.

Já para Raimundo Fagner a experiência foi mais que especial. Primeira vez que canta no carnaval de Recife, Fagner contou como foi se apresentar para a animada multidão de foliões recifenses: “Foi uma experiência que nunca passei. É incrível, principalmente nesta homenagem ao Maestro Spok. É um músico espetacular! Estou sem palavras. A presença do público foi maravilhosa. É a minha primeira vez e o carnaval daqui é único, é espetacular”.

Entrevista: Equipe Livre Opinião

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s