A velada virtude da insignificância, por Marcelo Flecha

DSC02922A sede da Pequena Companhia de Teatro é um bem privado de usufruto público. Como tal, apresenta ações concretas para a construção de uma política cultural pública que deveria ser responsabilidade do estado. Em 2014, por aqui passaram mais de mil pessoas, entre espectadores, visitantes e participantes de oficinas teatrais e literárias, debates, aula-espetáculo, seminário, reuniões, jantares; todas atividades de acesso gratuito. Para a manutenção dessas ações, que se estendeu durante todo o ano, o poder público investiu menos de três mil reais – valor oriundo da esfera federal. Sabemos que se o espaço fosse um bem público, o valor gasto para a manutenção das mesmas atividades seria estratosférico. O aporte previsto para manter as mesmas atividades em 2015 é de zero real, ainda assim, elas acontecerão, com maior ou menor frequência, dependendo do desejo do interlocutor – espectador atento ou discente ávido. A omissão do estado na construção de politicas públicas eficientes onera o cidadão, que acaba exercendo uma função que deveria ser exclusividade do poder público. Dou um exemplo: nosso eixo curatorial, guiado pela própria produção artística da companhia, oferece um recorte do fazer teatral ancorado na pesquisa. Além de companhias locais que dialoguem com esse recorte, em 2015 provavelmente passarão por aqui o Coletivo Alfenim, A Cia. A Mascara de Teatro, O Grupo Magiluth, a Cia Tabu, etc. Se você quiser fruir desse recorte, você sabe onde encontrar. Ao oferecer um espaço e um calendário para uma forma específica de fazer teatral, a Pequena Companhia de Teatro está criticando a falta de uma política cultural pública eficiente e colaborando para a formação do cidadão capaz de reivindicá-la. Todas as nossas ações são políticas. Oferecer formação é uma forma de revolucionar; o discurso teatral é uma forma de protesto; democratizar o acesso a um bem cultural é uma forma de reivindicação; viver de teatro é uma forma de se posicionar politicamente – você não lembra, mas já tratei disso aqui.  O curioso é que a ausência do estado – falo agora das esferas municipal e estadual – não se dá pela falta de apoio, e sim, no total desconhecimento da existência dessas ações. Os governos municipal e estadual não fazem a menor ideia do que seja uma pequena companhia de teatro. Nunca souberam. Por isso creio que alguns gritos são mudos. Já que somos invisíveis, nossa reivindicação se dá através da ação; fazendo, ininterruptamente, aos trancos e barrancos, como nos últimos dez anos. Quem sabe, um dia, o poder enxergue, e faça seu trabalho, educando. A educação é a única forma de outorgar o poder ao povo.

Marcelo Flecha

Diretor e dramaturgo, é um dos idealizadores da Pequena Companhia de Teatro, de São Luís (MA). Publicou o livro Cinco Tempos em Cinco Textos: Dramaturgia Reunida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s