Peça sobre vida e carreira de Billie Holiday será encenada no SESC de São Carlos

unnamed (2)

Neste sábado (28), o SESC de São Carlos apresenta o espetáculo teatral Billie, que relata a trajetória e a carreira da cantora Billie Holiday, interpretada por Cássia Damasceno, ícone do jazz norte-americano. Escrita e dirigida por Alexandre França, a peça se apropria de duas biografias sobre a artista e passa por várias fases de sua vida. Em cena, a personagem participa de suas últimas gravações, assombrada pelo fantasma do sucesso. Em 2015, a cantora completaria 100 anos.

Billie Holiday, ícone do jazz dos anos 40 e 50, que nas palavras do crítico Roberto Muggiati viveu um verdadeiro “percurso do sacrificado” nos últimos anos de sua vida, é tema da nova peça da Dezoito Zero Um – Companhia de Teatro – a primeira parte da Trilogia Biográfica escrita por Alexandre França, que trata de grandes ícones da cultura pop ocidental. Usando como ponto de partida as últimas gravações da cantora, o espetáculo traça um paralelo intersubjetivo entre a trajetória de Billie e o massacrante fantasma da celebridade do qual nunca escapamos ao pronunciar seu nome.

Duas biografias são exploradas na peça: a autobiografia publicada pela cantora (com a colaboração do jornalista William Dufty), três anos antes de sua morte em 1959, e uma outra recente da francesa Sylvia Fol. O primeiro passo na escrita foi a investigação de pontos de imprecisão contidos no contraste entre as duas biografias. Coisas que foram omitidas ou até mesmo suavizadas pelo relato da cantora (como a sua relação com a mãe), na biografia de Sylvia Fol ganham um desenho enigmático. Em contrapartida, os relatos apaixonados de Holiday em “Lady Sing the Blues” demonstram traços da personalidade da cantora perdidos na descrição biográfica temporalmente distante de Sylvia.

Ouvindo a gravação de bastidores contidas em uma coleção do selo Verve, França teve a inspiração para o que ele chama de “espinha dorsal da peça”. “Dois técnicos de som dão as diretrizes de como a interprete deverá cantar – logo de cara confundimos três linhas subjetivas no jogo entre os atores: a atriz, a figura interpretada e a interpretação de Billie Holiday. Metáfora para o difuso entendimento que temos da cantora e território livre para imaginarmos a sua intimidade artística dentro de um aquário de gravação– seu ateliê artístico”.

O texto, que levou dois anos para ser montado, sofreu alterações com o tempo “deixei ele mais poético e mais próximo do público. Abandonei a ideia de fazer uma aproximação histórica estreita e construí uma outra abordagem, na qual o público pode participar muito mais ao preencher as lacunas colocadas pela dramaturgia”, diz Alexandre. “Nossa memória sobre a cantora foi desgastada com o tempo. Proponho uma reabitação dela pelo viés poético e não mais por uma reconstituição histórica, que, em sua busca pela verdade, sempre soará imprecisa”.

No elenco, Otavio Linhares e Diego Fortes fazem os técnicos de estúdio que não aparecem em cena. “Investimos um bom tempo tentando achar uma voz adequada a cada momento da peça”, diz Linhares. “A voz é completamente diferente com o uso de microfones”, conta Diego, “testamos várias maneiras de falar nele até chegar no ponto de suspensão que o França nos pediu”.

A atriz Cássia Damasceno interpreta a cantora. Segunda ela “o texto releva muito sobre a relação que o público tem com seus ídolos. O França acaba falando mais sobre a relação entre Billie e a sociedade do que sobre a cantora em si”. No palco, Cássia interpreta três diferentes momentos da cantora em um só tempo: a infância, o auge da carreira e a decadência física.

SINOPSE

Espetáculo com ponto de partida na vida e na arte da cantora Billie Holiday. Utilizando várias camadas de memória, como as biografias, o ambiente da época e a impressão que o público hoje tem deste ícone da música americana, Billie é um convite à reflexão acerca do caráter movediço que a essência artística e a fama possuem com o passar dos dias.

SERVIÇO

BILLIE

Com Cássia Damasceno, Otavio Linhares e Diego Fortes
Texto e direção: Alexandre França
Iluminação: Beto Bruel
Figurino: Maureen Miranda
Cenário: Erika Mityko
Produção: Bia Reiner
Realização: Dezoito Zero Um – Companhia de Teatro

SESC-São Carlos
Data: 28 de março
Horário: 20h
Ingressos: de R$ 5,00 a R$ 17,00
Informações: http://www.sescsp.org.br/programacao/56935_BILLIE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s