Sesc São Carlos apresenta o espetáculo teatral “Revide”

lucas_romano_luis_fernando_delalibera_revide_peca_espetaculo_gay_sesc_consolacao

O Sesc de São Carlos apresenta, nesta sexta-feira (29), às 20h, no teatro, o espetáculo Revide. Ao tematizar o episódio dos ataques homofóbicos da Av. Paulista, espetáculo discute a violência como um sintoma social mais amplo. Texto e direção de Felipe Uchôa.

ESPETÁCULO – Dois irmãos caminham de mãos dadas pela Av. Paulista e são espancados por um grupo de jovens adolescentes. O caso ganha repercussão popular, pois um dos agredidos sofre de deficiência intelectual. Em função do escândalo midiático, um desconhecido decide vingar as vítimas por conta própria. Em Revide, o dramaturgo Felipe Uchôa redimensiona episódios recentes da violência urbana acontecidos na cidade de São Paulo, tematizando os ataques homofóbicos na Avenida Paulista sob um ângulo que não discute a homofobia, mas sim a problemática da violência como um sintoma social mais amplo e inscrito na lógica das subjetividades.

O texto parte de duas perguntas: a) E se os agressores tivessem errado o alvo e acertado dois irmãos, um deles com problemas mentais? e b) E se o plano de vingança não partisse das vítimas, mas sim de um desconhecido que se sensibilizou pelo caso, dada sua abrangente cobertura midiática?

“Escrevi e dirigi Revide para esgarçar as fibras de extermínio que existem em todos nós. Quando o atentado homofóbico da Avenida Paulista veio à tona pela mídia, o que mais me chamou a atenção foram as contradições da massa: a comoção popular era pura apologia à violência, tanto da parte de quem surpreendentemente defendia os crimes, quanto da parte de quem os condenava”, explica o dramaturgo.

É a constatação de que São Paulo não é um bloco monolítico, mas sim uma arena de vozes, mesmo no âmbito da individualidade, que serve como ponto de partida para Revide. Trata-se de um trabalho de reinvenção da cidade e de suas figuras, por meio da ficção e da reelaboração de um fato marcante. Esta reinvenção não é a transposição direta da narrativa jornalística com seus personagens reconhecíveis, mas sim a evocação das forças intangíveis que movem os discursos e os crimes de ódio, daí sua potência dramatúrgica e, por extensão, artística.

Longe de portarem discursos sensatos, os indivíduos que comentam em redes sociais, blogs, portais de vídeos e notícias, dão um verdadeiro testemunho das forças multidirecionais que agem sobre a subjetividade de gente comum e normal, que se expressa livremente protegida pelo anonimato. A encenação incorpora este argumento como forma, propondo um espetáculo de pulsão violenta permanente, com o objetivo de privilegiar os desvãos que existem em cada um de nós e que só se manifestam em situações-limite, muitas vezes, de forma truculenta.

Há ainda outro dado estrutural de extrema importância: Revide é um texto narrativo que cria tempo e espaço por meio da fala e realiza sua arquitetura dramatúrgica com ajuda da linguagem. A peça se passa em poucos planos concretos e em múltiplos espaços mentais. As cadeiras são signos pontuais do mundo real e a luz é responsável por desenhar linhas de escape na subjetividade das figuras que fazem a peça. A opção pelo mínimo cenário serviu para privilegiar a criação de variados espaços e tempos, a partir da capacidade de presença dos atores. A narrativa transita o tempo inteiro entre realidade e delírio e, em certo momento, um passa alimentar o outro, de tal modo que as ações passam a ser determinadas por instâncias não-realistas, como por exemplo, o embate entre uma âncora de telejornal e Gigio, o personagem homofóbico do texto. Mas a opção estética foi colocar todos os atores juntos em cena e fazer de uma peça que inicialmente poderia ser resolvida de modo fragmentado, um contínuo em que todos interagem, mesmo aqueles que não estão no mesmo espaço físico. São figuras que, antes de tudo, estão unidas por uma neurose coletiva de violência.

“Por trás de toda violência praticada, há um discurso. Na peça, este discurso é invocado para fazer justiça a um crime de ódio, mas continua servindo ao redemoinho infinito da barbárie. E a reação da vítima pode ser ainda mais truculenta que o ato inicial do opressor. Para que um ciclo termine, é preciso criar linhas de fuga. E Revide fala sobre isso”, completa.

FICHA TÉCNICA

Direção e dramaturgia:
Felipe Uchôa

ELENCO
José Renato Forner como Desconhecido
Lara Hassum como Âncora
Pérsio Plensack como Pai
Lucas Romano como Irmão
Bruno Bianchi como Gigio
Luis Fernando Delalibera como Vítima

SERVIÇO

Dia 29, sexta, às 20h.
Teatro do Sesc São Carlos. 50 min. 14 anos
R$ 17,00 R$ 8,50 R$ 5,00

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s