Coluna 23: “Piquenique”, por Lucimar Mutarelli

unnamed

Quando eu criei meu filho eu não tive a ideia de filmar e anotar todas as frases que ele dizia. Você está ocupada educando, cuidando pra que não enfie o dedo na tomada, para que não engula o anel do pai, a hora do almoço, o soninho da tarde, o sonão da noite, historinha, musiquinha, gibizinho, forte apache, carrinho, bonequinhos, brincar com as panelas embaixo da pia enquanto você lava a louça, colocar ele pra te ajudar a lavar a louça, a roupa, o chão do banheiro que escorrega, as quinas das mesas, objetos de vidro, objetos pontudos e tudo aquilo

Você não tem tempo pra olhar seu filho de fora, feito uma criança, você está muito perto cuidando dele

Mas eu imagino que vó seja diferente

Eu ainda não sou vó mas amo cuidar dos meus sobrinhos netos

Brinquei muito com meus sobrinhos e brinco até hoje

Toda vez que falo isso vem a voz da minha mãe falando

– Brincava mas brigava muito também

Outro dia estava lembrando no grupo do whatsap da família sobre a primeira vez que fui a praia com a família e fiquei toda comovida lembrando de imitar meu sobrinho rolando na areia em direção ao mar

Meu sobrinho devolveu na lata que a lembrança dele era outra, bem diferente da minha. Contou que eu o empurrava para o fundo do mar

Ainda bem que essas lembranças são dele, não as minha. Felizmente a memória alheia não estraga meu passado e muito menos o amor que sinto por ele. A não ser que ele tenha tentado me levar para o fundo do mar. A história seria outra

Ou não

Se a memória não é minha, não lembro. Parece óbvio de falar mas não de explicar

Escrevo para preservar as histórias

Adorava leva-los ao cinema, teatro, Bobs e McDonald’s

Teatro nem tanto. Esse passeio fiz mais com meu filho, além de gostar de andar com ele também em exposições, parques e shoppings

Meu filho era muito meu parceiro e é até hoje, claro que de uma forma bem diferente. Não depende mais de mim. Dirige e, ás vezes, é ele quem me dá carona

É difícil mas a cada dia consigo admirar mais a independência que o meu filho conquistou e ainda tem a questão da blusa do guarda chuva da marmita da bagunça e do lixo. No entanto, basta ele sentar para ver um filme ou uma série ou não sair sem pedir a benção ou trocar um milhão de mensagens carinhosas para que eu esqueça a parte chata e obrigatória de ser mãe e tudo vire diversão. É isso que meu marido tenta me ensinar todos os dias. Ser mais leve, pensar e sofrer menos

Com sobrinhos eu consigo ser assim

Livre, leve e desencanada. Sempre tenho bons conselhos para qualquer um deles. É fácil demais ser tia. Não tem cobrança, não tem pena nem castigo nem responsabilidade. A não ser quando você precisa cuidar de um deles com febre dor de barriga ansiedade ou insegurança, aí fica um pouco mais difícil e mesmo assim, é reconfortante, sempre

Brilho de alegria quando um sobrinho me procura para ver um filme com ele ou uma que te escolhe para madrinha. É um presente pra vida inteira. Compartilha fotos e lembranças com você e não acredita quando você não lembra de uma festa uma música um passeio que fizeram juntas

Tem outro que, além de tentar te explicar um milhão de vezes porque o jogador não estava impedido te convida pra ser madrinha de formatura e vinte e quatro anos depois ainda pede: benção, tia

Comoção

Infelizmente eu vivo muito distante da minha única tia que vive em São Paulo mas sempre repito o “bença, tia”

Mesmo pra mim que não sou uma católica praticante, acho lindo ouvir de volta: Deus te abençoe, minha filha…duas mãos bastam para formar o coração açucarado

Sobrinho é o único jeito light de ter filho

“tá pensando o quê, minha filha”

“a filhinha do papai”

“essa daí é filha de ninguém”

“filha da puta”

“filho de peixe”

“filho criado, trabalho dobrado”

“meu filho vai ter nome de santo”

“o bom filho à casa torna”

Sobrinho é filho com açúcar porque não mora com você, não depende financeira ou psicologicamente de você e se um dia ele gritar “eu não pedi pra nascer” ou “minha mãe é uma escrota” ou “tenho vergonha da minha mãe” ou “por que deus não me fez nascer em outra família” ele nunca vai te ofender. A boa educação não deixa. A gente só ofende aqueles que estão mais perto mesmo tipo pai, mãe ou os filhos. Na rua somos mais educados. Se não falei sobre isso ainda vou ter que falar

Sobrinho é sempre seu amigo. Te convida para tomar um cafezinho e sempre te recebe sorrindo e presta atenção em tudo que você fala e te ensina te conforta te abraça nunca nega carinho. Sempre responde suas figurinhas, nunca te deixa no vácuo, faz bolo pra você, pede seu currículo, entende o verdadeiro motivo do seu choro, cuida de você nos momentos mais impossíveis da sua vida, quando era você que deveria estar cuidando dele e, no entanto, ela está ali firme forte te carregando no colo. Sobrinhos que invertem os papeis e te explicam todo o sistema de cotas ou o capitalismo ou as novas formas de gestão e você fica tonta tentando aprender querendo entender porque você o pegou no colo e agora toda vez que te encontra, é ele quem te dá uma aula de humanismo solidariedade compaixão e, meu deus, são muito lindos os meus sobrinhos

Conta que aprendeu a gostar de ler com a sua coleção de gibis, que não tem vergonha de falar te amo quando você vai ver a apresentação de balé ou contar piada suja do elefante e da formiga ou tentar explicar de novo a diferença entre a Britney e a Kate e a Melanie ou se interessar pelo nome do filme e você nem sabia que ela estava ouvindo e olha ouve essa música e compra doce pra você e está tudo invertido porque é você que gosta de leva-los na vendinha e orientar que cada um só pode escolher uma coisa e ele sempre leva uma duas três balinhas e você diz que pode pegar mais uma pra vó ou pra tia ou pro primo e uma tarde de segunda chuvosa vira um dia de domingo

Aquele que se sente em casa só na sua casa. Outro que te marca no desenho do Snoopy, dos Smurfs, da Hello Kitty ou na piada da zoeira que never ends e você não entende e ele precisa te explicar e vocês riem mais, muito mais da situação do que a piada boba sem noção que ele sempre repete e você acha graça, sempre. Está na lista dos mandamentos de toda tia: rir junto

Sobrinho companheiro de balada de show de piquenique de visita ao museu ao teatro municipal você já falou de feira de comida de chá de pão com manteiga na chapa e mais café e cinema e companhia e você já subiu lá em cima, sim, tia, foi você que levou, não lembra e tadinha desculpa não tenho memória preciso das suas

Sobrinho amigo conhece seus amigos e anda junto com você

Mas com sobrinho neto, essa história consegue ser mais doce porque, para aqueles que não entendem, é quando o filho do seu irmão tem um filho. Você vira: tia avó. Duas delícias de palavra numa coisa só

Sobrinho neto que te deixa dar vitamina para o Batman ou o Homem de Ferro ou a outra

– Não quero ser médica nem doutora, quero ser artista

E você fica feliz, será que finalmente um sobrinho vai escolher o lado torto da vida de ator cantor dançarina escritor compositor talvez dali saia um músico uma pintora e até uma perfeita atriz deve ser aquela que seu irmão e sua cunhada te escolheu para batismo e tem a outra pequenina talentosa também filha dos seus sobrinhos que te chamam de Dinda e você esqueceu e não colocou na lista mas ela não esquece está sempre presente mesmo longe mandou beijinhos na carinha amarela sorrindo e aquele de verde dispara correndo e você fica com medo e meu deus se eu perco esse menino aqui e eu pensei que dava conta mas não sou assim tão superpoderosa como queria e liga pede ajuda e ufa passou foi só um susto que medo ainda bem que era um bom dia para o anjinho da guarda e você reza todo dia por eles por nós por toda a família

Escrever é meio que contar uns segredos. Compartilhar histórias

Dividir medos sonhos contratempos pesadelos desejos e todo tipo de anseio e será que ele vai conseguir transformar meu livro em vídeo game ou só tava brincando e procura a foto de novo eu tenho certeza que foi você que tirou e

Silencia a cabeça um pouquinho

Escrever é conversar sozinho e bem acompanhado

Meu filho e meus sobrinhos são muito mais que nozes, são árvores inteiras

lucimar-mutarelli

Confira mais textos de Lucimar Mutarelli clicando aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s