OSSOS DO OFÍDIO: “Três Mestres”, por Marcelino Freire

Na sua coluna no LOID, o escritor Marcelino Freire resgata uma antiga crônica sua, publicada no blog Ossos do Ofídio. Isso porque ele está em Curitiba, no evento Litercultura, e relembra, direto de lá, o contato dele com três grandes mestres: Dalton Trevisan, Jamil Snege e Valencio Xavier. Confira.

Os escritores Jamil Snege e Valêncio Xavier

Os escritores Jamil Snege e Valêncio Xavier, no ano de 2001 (Foto: Marcelino Freire)

Para começar, dois mestres.

O de barba, Jamil Snege.

Ouvi o nome dele, de passagem, na Folha de S. Paulo de sábado passado.

Assim, cogitado para ser relançado – e redescoberto – pela coleção Má Companhia, da Companhia das Letras.

Snege era um gênio. Autor, entre outros, da novela “Viver É Prejudical à Saúde”.

O outro, na foto, é outra portentosa figura: Valêncio Xavier. Este, já publicado pela Companhia. Por que não relançá-lo idem na Má Companhia?

Joca Reiners Terron, bem sei, tem com ele um inédito do Valêncio, que iria sair pela extinta editora do Joca, a Ciência do Acidente.

Aguardemos e oremos.

Essa foto eu mesmo tirei em uma viagem que fiz a Curitiba. Jamil e Valêncio me mostraram a Boca Maldita. Lugar em que os escritores curitibanos se reuniam. Ambos me contaram casos hilários do grande – e não menos genial – Dalton Trevisan.

Inclusive, a foto abaixo eu tirei na mesma viagem. É a casa onde vive, até hoje, o nosso Vampiro de Curitiba. Já estive com ele duas vezes, via fax. Já cheguei à sua porta, mas não bati, não entrei, não amolei.

Porém, já troquei umas palavras com o Trevisan. Ele participou da antologia “Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século”, que organizei em 2004. De uma outra vez, o convidei para um especial da Revista Playboy.

Acompanho, sempre, os livros do Dalton. Exemplo eterno de ousadia e estilo. Presentes também nos saudosos Jamil e Valêncio.

Tempo, tempo, tempo.

Às vezes penso que estou ficando velho.

Você ri, Suzana?

É sério.

Residência de Dalton Trevisan (Foto: Marcelino Freire)

Residência de Dalton Trevisan, no ano de 2001 (Foto: Marcelino Freire)

marcelinofreire

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s