Espanca! estreia montagem com peças curtas de diferente dramaturgos e visões diversas da realidade artística

De 19 a 22 de novembro (quinta-feira a domingo), o Itaú Cultural apresenta a estreia de Real: Teatro de Revista Política, sétima criação da companhia teatral mineira Espanca! e um dos 101 projetos contemplados entre os mais de 15 mil inscritos no programa Rumos Itaú Cultural 2013-2014. O público de São Paulo confere em primeira mão Inquérito, O Todo e as Partes, Maré e Parada Serpentina, quatro das cinco peças de curta duração escritas por dramaturgos com poéticas distintas, convidados pelo grupo para criar textos inspirados em fatos recentes que marcaram a sociedade brasileira. Colibri ou Aquele Que Deve Morrer, a quinta parte da coletânea está prevista para estrear em 2016.

Motivado pela proposta de retratar a realidade por meio do teatro, o Espanca! mergulhou no conceito de teatro de revista, para reunir textos diversos, em linguagens também diferentes – algumas, como a manipulação de bonecos, foram novidade dentro do repertório da companhia. Um linchamento, um atropelamento, uma chacina policial e um movimento grevista foram os pontos de partida para a construção de Real: Teatro de Revista Política, que tem direção geral de Gustavo Bones e Marcelo Castro, dando continuidade à investigação do grupo sobre dramaturgias contemporâneas que retratam o ser humano do ponto de vista da violência das afetividades.

Parada Serpentina é uma peça de dança que parte de estudos sobre o movimento em provocações textuais de Byron O’Neill. Com direção coletiva, trata de uma categoria de trabalhadores que realiza uma greve histórica por melhores salários e paralisa o carnaval de uma Cidade Maravilhosa, inspirada na paralização realizada em 2014, na qual 70% dos 15 mil profissionais da categoria aderiram ao movimento que deixou toneladas de lixo espalhadas pelo Rio de Janeiro.

O linchamento de Fabiane Maria de Jesus, acontecido na cidade paulista do Guarujá, após boato divulgado no FaceBook, associando a vítima a uma mulher que sequestrava crianças para rituais de magia negra foi o ponto inicial para Inquérito, texto de Diogo Liberano. Com direção de Gustavo Bones, a peça propõe um jogo violento entre os atores, em uma poética bem próxima à desenvolvida até hoje pelo Espanca! Na trama, pai e filhas brincam de um jogo de perguntas e respostas, enquanto tentam conviver com a morte violenta da mãe, que assombra a todos constantemente.

Roberto Alvim escreveu O Todo e as Partes, cuja encenação utiliza princípios de manipulação de bonecos. Um jovem é atropelado e tem o seu braço amputado. O membro arrancado torna-se o personagem central da trama dirigida por Eduardo Félix, partindo de uma lei que diz que o homem culpado deve ceder um de seus próprios membros à vítima como reparação. Alvim baseou-se no atropelamento do ciclista David Santos Souza, na Avenida Paulista, em 2013, no qual um estudante de psicologia alcoolizado atropelou o limpador de vidros de 21 anos, que ia para o trabalho de bicicleta, não prestou socorro e dirigiu por cerca de sete quilômetros até jogar o braço arrancado no córrego Ipiranga.

Maré parte de um trabalho sonoro com o texto de Márcio Abreu e direção de Marcelo Castro, priorizando a musicalidade da fala dos personagens. A morte de uma vítima de uma das chacinas policiais ocorridas em favelas é contada pela perspectiva das pessoas que a viveram. No fato real, acontecido também em 2013, no complexo da Maré, a morte de um sargento do BOPE durante uma troca de tiros entre traficantes e policiais desencadeou um “revide” das autoridades, em uma ação de intensa violência e terror contra a população, que terminou com 10 pessoas executadas pelas forças policiais.

Processo de criação

Uma das premissas de Real: Teatro de Revista Política, segundo Marcelo Castro, é trabalhar cada peça que compõe o programa com uma linguagem diferente. Assim, o Espanca! aprofundou o estudo em técnicas que a companhia já utiliza, como a dança e o movimento, mas apostou em novos processos, como a manipulação de bonecos.

“É importante ressaltar que mesmo que em cada uma das peças predomine uma dessas linguagens, nada é puro”, observa o diretor. “Elas aparecem misturadas durante as duas horas de apresentação”.

A proposta de diversificação de texto e linguagens permitiu ao elenco – composto pelos atores Alexandre de Sena, Allyson Amaral, Assis Benevenuto Vidigal, Gláucia Vandeveld, Grace Passô, Gustavo Bones, Karina Collaço, Leandro Belilo, Marcelo Castro e Michele Sá – uma experiência de exercício cênico, ao viverem personagens completamente diferentes em espaços de tempo muito curtos. “Em Inquérito, por exemplo, eu interpreto uma criança de 2 anos, e na sequência vivo em O Todo E As Partes um homem que teve o braço amputado”, destaca Castro.

Segundo o diretor, a experiência tem mexido com os atores. “Nos ensaios gerais percebemos a força performática que estamos empregando em Real. São duas horas de muita intensidade para a gente e para o público”.

Sobre a companhia

Nos últimos 11 anos, o Espanca! criou seis peças, revelando a pesquisa do grupo sobre a encenação de dramaturgias contemporâneas, que propõe discussões a respeito dos códigos do fenômeno teatral e a escrita de uma investigação chamada poética da violência.

Com dramaturgia de Grace Passô, montaram Por Elise (2005), Amores Surdos (2006), Congresso Internacional do Medo (2008) e Marcha Para Zenturo (2010). Em 2012, estrearam O Líquido Tátil, escrito e dirigido pelo argentino Daniel Veronese, um dos maiores nomes do teatro mundial, e em 2014, Dente de Leão, escrito por Assis Benevenuto e dirigido por Marcelo Castro. Com o repertório, circularam pelos principais festivais de teatro do país, receberam diversos prêmios e nomeações, como Shell, APCA, Qualidade Brasil, SESC-SATED, entre outros. Desde sua criação, fizeram 649 apresentações em todas as regiões do país, além de Alemanha, Colômbia, Uruguai e Chile.

Há cinco anos, o grupo mantém um espaço cultural no hipercentro de Belo Horizonte, aberto a propostas artísticas de diversas linguagens. O Teatro Espanca! Tem um público estimado de 20 mil pessoas e mais de 800 agentes culturais envolvidos em sua programação. Sua manutenção também se dá em diálogo com a comunidade ao seu redor, através de práticas diárias de convivência, ações políticas e intervenções estéticas realizadas em diálogo com a rua, sua diversidade e suas contradições.

SERVIÇO

PROGRAMA – REAL: TEATRO DE REVISTA POLÍTICA

De 19 a 21 de novembro de 2015 (quinta-feira a sábado), às 21h
Dia 22 de novembro de 2015 (domingo), às 19h
Com Grupo Espanca!
Direção Geral: Gustavo Bones e Marcelo Castro.
Dramaturgos: Byron O’neill, Diogo Liberano, Márcio Abreu e Roberto Alvim.
Elenco: Alexandre de Sena, Allyson Amaral, Assis Benevenuto Vidigal, Gláucia Vandeveld, Grace Passô, Gustavo Bones, Karina Collaço, Leandro Belilo, Marcelo Castro e Michele Sá.

Peças:

Parada Serpentina (20 min)

Inquérito (30 min)

O Todo e as Partes (20 min)

Maré (25 min)

Duração: 120 minutos (com intervalos)

Classificação Indicativa: 16 anos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s