Aline Bei: no bico do peito a cabeça de uma criança

um bebê nasce sem saber o que foi o

holocausto,

alguém precisa contar e isso não é garantia de que ele

saiba, saber não

é nota

informativa no colégio, a escravidão, a primeira guerra, a segunda,

os ditadores todos em itens nas páginas

dos livros que vão até o governo

lula.

daqui 50 anos,

até o governo do futuro presidente que, por hoje, ainda não sabe

se presta

vestibular de história ou se vai

buscar maria no rio de janeiro e fazer um

filho

nasce, é preciso contar pra ele tanta coisa, a maioria

Triste, o ser humano matou em volume matando em essência, matou pelos cantos 1 pai

1 cachorro

1 pássaro

e também a África

também a Amazônia

também o boto

cor de rosa, também o professor.

um bebê nasce e é preciso contar devagar pra ele sobre a terra, o futuro

espera

numa concha.

um bebê no mundo também precisa saber das histórias bonitas, do som

da gaita cabendo na rua,

do dedo no piano e o piano de calda que a vó

vendeu pra construir a quitanda que ficou de herança mas agora acabou,

ele precisa saber

da flautinha brinde de revista, que a biblioteca

existe

antes,

que antigamente telefone em casa era um rico. ter linha e vender a linha

era como ter um carro

e vender o carro. por séculos, a bicicleta é uma menina.

um bebê nasce sugando leite,

ele precisa saber que dar a teta pode sangrar de noite para algumas mães, um bebê nasce com ruga

na testa.

quando chove o rio sobe tão alto que vira Grito, os carros

estão com vidros

fechados,

na marginal tem pedra que bandido coloca na rua pra furar pneu e se você cair na armadilha

abrirá o vidro e perderá o carro, talvez

a vida, é melhor seguir

dentro do carro

até o fim.

falta água

mas sobra água invasora de sobrados, de barrancos, nos barracos o

futebol

da criançada

teve que parar, por hoje.

amanhã o campo seca, disse o menino miguel.

aos bebês é preciso contar que a casa

da gente

virou casas uma em cima das outras e isso é antigo. algumas pessoas se recusam a vender seus terrenos pra virar apartamento mas as construtoras dizem de milhão e convencem,

o dinheiro deixa

o corpo louco pra grudar na nota.

fica o céu de teto, nunca faltou céu no planeta terra

nem igreja nem açougue nem academia.

quando um bebê nasce

é preciso contar pra ele que bebês

morrem

e o caixão

é caixinha.

ainda assim

quando um bebê nasce

um trevo brota

no peito do país inteiro.

alinebei

Leia mais textos da Aline Bei

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s