Cristovão Tezza lança novo volume de crônicas com ensaio inédito sobre o gênero

8201977d-1156-4124-b574-28be3081c356Duas noites de insônia, o fantasma do leitor de jornal surgindo em sua tela de computador, o gênero a ser desbravado a partir dos 50 anos, a adaptação aos 2.900 toques (no máximo) e a possível falta de inspiração foram alguns dos desafios enfrentados por Cristovão Tezza, segundo o próprio, ao aceitar o convite da Gazeta do Povo e, em suas palavras, tornar-se um “cronista acidental”, a partir de fevereiro de 2008.

Em cinco anos, o trabalho “operário” do romancista rendeu 355 crônicas, um livro finalista do Jabuti e agora é encerrado com “A máquina de caminhar”, que traz 64 textos selecionados e um bônus: o ensaio “Um discurso contra o autor”, em que ele afirma encerrar de vez a sua carreira no gênero.  “Sofro de uma espécie de Transtorno Obsessivo-Compulsivo Literário, que me obriga a ‘fechar’ de algum modo tudo que eu começo, de modo a criar uma simetria imaginária que equilibre minha obra e minha história pessoal”, escreve Tezza.

No ensaio, em que confessa nunca ter sido um leitor de crônicas e afirma que somente em casos-limite ela pode se metamorfosear em literatura, Tezza utiliza dois textos de Machado de Assis para analisar o gênero e investigar sua essência originalmente brasileira. E arrisca uma definição básica: “Um texto de jornal impresso, de publicação regular, de breve extensão, com unidade temática e estrutural, tratando ou partindo de assunto contemporâneo, ou mesmo imediato (…), em tom cordial, bem-humorado, conversa com o leitor.”

Embora tenha começado a escrever crônicas a partir dos 50 anos e encerrado essa breve carreira apenas seis anos depois, Tezza revela que deve ao gênero um incentivo duplo para soltar-se de duas amarras ligadas ao mundo acadêmico: foi a centelha de sua decisão de abandonar a função de professor na universidade e também uma libertação das regras do texto acadêmico. “Devo à crônica a quebra do gesso formal que costumava marcar minha linguagem de opinião, nos meus tempos de resenhista e crítico literário – e foi certamente sua prática semanal que psicologicamente me liberou para escrever, em 2011, O espírito da prosa, um ensaio sobre minha formação literária, que começa já na primeira linha exorcizando o fantasma: ‘Este não é um trabalho acadêmico’.”

Assim como “Um operário em férias”, “A máquina de caminhar” também foi organizado por Christian Schwartz e com ilustrações de Benett. Na apresentação, Schwartz afirma que a inspiração para o título deste novo volume veio da crônica “Esteira Sherazade”, em que o escritor revela ter encontrado uma única inspiração para começar a se exercitar, por recomendação médica: a leitura de livros durante as caminhadas na esteira.  “Emerge, ali, a imagem-síntese do cronista virando as páginas de algum livro enquanto se deixa conduzir por Sherazade (literal ou metaforicamente) ‘em passadas regulares como um Dr. Livingstone das nuvens’, numa evocação em movimento do que talvez seja a principal qualidade destas crônicas: criar pontos de contato entre o mundo mental da literatura e o mundo ‘de verdade’ da política, da cultura, do futebol”, escreve Schwartz.

O livro, com crônicas que vão desde comentários sobre livros, futebol, Curitiba, política, internet, chega às livrarias em fevereiro, pela Record.

Cristovão Tezza nasceu em Lages, Santa Catarina, mas mudou-se criança para Curitiba, onde vive até hoje, dedicando-se à literatura. Escreveu mais de uma dezena de livros desde Trapo, em 1988. Lançou em 2012 O espírito da prosa, sua autobiografia literária, e, em 2013, Um operário em férias, uma seleção de crônicas escritas para o jornal Gazeta do Povo. Em 2014, lançou O professor, que vem sendo aclamado pela crítica como um dos pontos altos de sua ficção. A publicação do seu romance O filho eterno, em 2007, teve um impacto inédito no panorama ficcional do país: o livro ganhou os mais importantes prêmios literários brasileiros (entre eles Jabuti, Portugal Telecom, São Paulo, Revista Bravo!, APCA e Zaffari & Bourbon) e já foi traduzido em uma dezena de países. Recebeu na França o prêmio Charles Brisset, de melhor livro do ano, e, em 2011, foi um dos dez finalistas do prestigiado prêmio IMPAC-Dublin de obras publicadas em língua inglesa. Saiba mais no site: www.cristovaotezza.com.br

TRECHO DO ENSAIO “UM DISCURSO CONTRA O AUTOR”

“Na tentativa de criar uma nova imagem profissional para mim mesmo, pensei no pouquíssimo que já havia feito na área, lembrei de algumas leituras esparsas e concluí que bom cronista precisa relatar fatos da infância, e – sempre acordado – fiquei calculando quantas crônicas minhas lembranças de criança renderiam. Talvez dessem para três ou quatro crônicas, o que mataria três ou quatro semanas, e então raspei o fundo da cabeça vazia lutando pelo tema da quinta semana, e veio um branco. Imaginei a terça-feira – este o dia que seria reservado para mim – aproximando-se perigosamente, o editor do caderno disparando e-mails, o telefonema aflito, cadê a próxima crônica?! E um dos mais célebres romancistas da cidade, um dos maiores escritores de seu bairro, vizinho de Dalton Trevisan, autor de uma obra em vários tomos, com mais de mil páginas publicadas e vários “troféis” (como diz meu filho Felipe) na prateleira, elogiado pelos amigos e conhecido na praça, seria fragorosamente derrotado por um textinho de três parágrafos e 2800 caracteres com espaço.”

A MÁQUINA DE CAMINHAR

Cristovão Tezza
Páginas: 192
Preço: R$ 37,90
Editora Record / Grupo Editorial Record

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s