Teatro para tempos de crise. Por Marcelo Flecha

Por Marcelo Flecha

Semana passada estive em Mossoró palestrando sobre gestão teatral e as estratégias necessárias para encarar tempos de crise, um encontro informal e caloroso com as queridas companhias A Máscara e Pão Doce. O objetivo era tratar a ideia de crise no sentido amplo, abordando crises financeiras, de relacionamento, de gestão, de identidade, etc. Aqui concentrarei minha atenção na dita crise econômica que tanto espaventa.

Nunca me agradou a mistura entre arte e mercado, roda de negócios, comercialização, metas, coaching, produto, lucro, e toda a parafernália mercadológica que é apresentada como obrigatória para o sucesso de uma companhia teatral. Costumo tratar esses mandamentos de maneira distanciada e informal, para não me descobrir, no futuro, um tecnocrata das artes, pançudo e mal pago. Contudo, entendo que vivemos em um mundo onde a indiferença a esses fatores pode ser assustadoramente nociva para o futuro de uma companhia que sobrevive exclusivamente de teatro, como é o caso da Pequena Companhia.

Em tempos difíceis, o que diferencia o teatro de pesquisa de todas as outras atividades do mundo, é que ele sempre esteve e estará em crise econômica. Ele não sabe o que é vida além da permanente dificuldade de sobreviver do seu fazer, portanto, permanece também imune às subidas e descidas de dólar, bolsa, produto interno bruto, taxa de juros etc. O que rege a vida teatral é a subida e descida do pano.

Essa condição deve servir para fortalece uma visão estratégia do grupo de teatro, e tentar perceber a trajetória a longo prazo, arremessar o pensamento ao futuro, imaginar os quadros mais negativos possíveis, e usar a criatividade artística como instrumento gerador de soluções além do óbvio.

Não existe uma regra; penso que cada coletivo deve fazer um diagnóstico preciso da sua situação e, a partir daí, elencar as mais estapafúrdias ideias que dialoguem com seus desejos e dizeres, para formar um banco de possibilidades a serem avaliadas, estudadas, testadas e aplicadas em tempos progressivos e momentos cruciais.

Quando digo estapafúrdias não brinco: de que maneira o espetáculo Velhos caem do céu como canivetes pode ensinar o público chinês a falar português? Em que tipo de leilão pode se leiloar o cenário do espetáculo que já morreu? Como invadir, com um espetáculo, um festival de teatro que não fomos selecionados? Como convencer o mercado a não tratar a arte como mercadoria?

A ideia parte do mesmo princípio que uso para conceber uma nova encenação; pensar além do óbvio, não temer o ridículo, não desistir prematuramente, assustar-se com a própria ideia, evitar o engessamento, sacudir a certeza, respeitar o desalento, resistir. Claro que tudo isso quase nunca dá certo, entretanto, como não cobro pelo conselho, tampouco pago pelo fracasso.

Marcelo Flecha

Diretor e dramaturgo, é um dos idealizadores da Pequena Companhia de Teatro, de São Luís (MA). Publicou o livro Cinco Tempos em Cinco Textos: Dramaturgia Reunida

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s