Cia.Teatro do Incêndio em busca do Brasileiro no espetáculo “O Santo Dialético”

ab964f8a-a04e-401e-b742-3a1bf5a7a433

A obra do antropólogo brasileiro Darcy Ribeiro emprestou o nome para o projeto A Teoria do Brasil, contemplado na 26ª edição do Fomento ao Teatro, que teve como resultado de pesquisa a peça O Santo Dialético, da Cia. Teatro do Incêndio. Com texto e direção de Marcelo Marcus Fonseca, o espetáculo vem tendo lotação esgotada e terá sua temporada prorrogada até 26 de junho, na sede do grupo. Os ingressos passam a ser cobrados no sistema pague quanto puder. O espectador o retira com até duas horas de antecedência, mas recebe um envelope e decide o valor que pode oferecer só ao final do espetáculo.

Sobre O Santo Dialético

A aurora é coletiva. Dar conta do que é “um brasileiro”, não é questão de um dramaturgo, um grupo um antropólogo. Esse homem talvez não exista, seja uma teoria, enquanto está ligado ainda a exemplos de outras partes do mundo. Resultado do trabalho de pesquisa do Projeto “A Teoria do Brasil”, contemplado pela 26ª edição do programa de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, O Santo Dialético investiga os vestígios da essência ancestral brasileira, em pessoas que, em São Paulo, perderam o contato com suas origens, vivendo um mundo determinado por valores urbanos.

Treze atores em cena costuram a trama ambientada numa arena. O espaço cenográfico móvel foi desenvolvido por Fabrizio Casanova. O dinamismo dá as mãos a uma trilha sonora mecânica e figurino cosmopolita: todos em jeans, assinados por Gabriela Morato – que também está em cena –, entrecortados por aplicações em outros tons do azul urbano. Tudo para o primeiro ato, na cidade. “Nela acontece a recusa de qualquer possibilidade de ancestralidade. A ideia é mostrar um Brasil retalhado, formado por fragmentos de diversos elementos históricos”, diz Marcelo Fonseca, idealizador do projeto A Teoria do Brasil.

O espetáculo O Santo Dialético, cujo título brinca com o sincretismo brasileiro, circula por dois outros ambientes em seus 150 minutos, compostos por dois atos e um intervalo. Depois de 1h30 na ambientação da cidade, a plateia é guiada pelos atores até o terceiro andar do teatro. Durante 25 minutos, Marcelo Marcus Fonseca serve pratos escolhidos anteriormente pelos espectadores. “No intervalo, a plateia entra ainda mais no teatro, em vez de se desligar dele”, conta. O espectador pode decidir por não jantar.

A experiência gastronômica resgata referências africanas, portuguesas e indígenas tanto na composição quanto na apresentação. A cada final de semana da temporada, um prato diferente é servido, começando pelo maior caldeirão de referências da culinária brasileira – a feijoada. Também entram no menu o caldo de mandioca, o acarajé, a tapioca e o arroz carreteiro, entre outros. A degustação custará entre R$ 20,00 e R$ 40,00 e acompanha salada e sobremesa (quitutes variados por sessão).

Encaminhado em cortejo de volta à sala de teatro, o público se vê em um novo ambiente: uma floresta. A trilha sonora original, criada ao vivo pelo multi-instrumentista Bisdré Santos, diretor musical da peça, dá o clima ao espaço. Piano, percussão, violão de sete cordas e flauta dão o tom ao segundo ato, no qual a ancestralidade passa a ser o objeto de procura – mesmo que não se possa atestar que ainda exista. “Quando você não entende sua própria mitologia precisa preencher esse vazio com outras coisas”, explica Marcelo Fonseca.

Para roteiro

O Santo Dialético, da Cia Teatro do Incêndio. De 23 de abril a 26 de junho, sábados, às 20h, e domingo, às 19h. Endereço: Rua Treze de Mario, 53 – Bela Vista, São Paulo. Classificação: 14 anos. Duração: 150 minutos (intervalo de 25 minutos). Capacidade: 80 lugares. Ingressos: pague quanto puder.

Ficha Técnica

Texto e Direção geral: Marcelo Marcus Fonseca. Direção Musical, Composições Originais e Música ao vivo: Bisdré Santos. Figurinos: Gabriela Morato. Cenografia: Fabrízio Casanova. Iluminação: Helder Parra e Marcelo Marcus Fonseca. Fotos: João Caldas e Giulia Martins. Preparação Vocal: Alessandra Krauss Zalaf. Assistência de direção: Sérgio Ricardo. Produção: Cia. Teatro do Incêndio. Trilha sonora mecânica: Marcelo Marcus Fonseca e Bisdré Santos. Coreografia: Gabriela Morato. Operação de Luz: Helder Parra. Operação de Som: Victor Castro. Assistente de Produção, cenografia e montagem: Victor Castro. Responsável técnico: Antonio Rodrigues. Assessoria de Imprensa: Arteplural Realização: Cia. Teatro do Incêndio.

Atores: Gabriela Morato, Francisco Silva, Elena Vago, Luciana Fernandes, Wallace de Andrade, Victor Dallmann, Silvia Maciel, Felipe Samorano, Victoria Cavalcante, Valcrez Siqueira, Thiago Molfi, João Costal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s