Marcelo Flecha: Caminhando

IMG_5484

No próximo domingo faremos a primeira apresentação de Velhos caem do céu como canivetes pelo projeto SESC Amazônia das Artes, aqui em São Luís, na sede da Pequena Companhia de Teatro, com entrada franca.

A partir daí iniciaremos uma nova caminhada, por toda a Amazônia Legal e o Piauí, em duas etapas, sendo a primeira Palmas/TO, Ji Paraná/RO, Boa Vista/RR e Rio Branco/AC, de 11 a 19 de maio.

O que move um grupo de teatro é o caminhar. Um caminhar no espaço, mas também no tempo. Assim como a Pequena Companha de Teatro tem caminhado por todo o Brasil, levando seu repertório para os mais diversos públicos, caminhou também no tempo que compreende uma década, para entender que suas conquistas são frutos desses dois deslocamentos – o temporal e o espacial.

A pulsação do viajar desorganiza, tira o artista da zona de conforto, desburocratiza, rompe as estruturas, subverte a lógica, nos surpreende com o caos. Por mais precavido que o coletivo seja, é na viagem que se revelam as rusgas, as falhas, os perrengues, as mágoas; trazendo para a berlinda tudo aquilo que o conforto do lar camufla.

IMG_5458

Também com a viagem vem a partilha, o tratar generoso, a comunhão do olhar sobre o problema exposto, as soluções escalafobéticas, a certeza de que se está no caminho certo, quando esse caminho nos leva para aquele ponto do planeta em que só o teatro nos faria chegar. Aquele lugar onde o público, que não faz a menor ideia de quem você seja, lhe mostra a importância do que você faz, provando que, no teatro, caminhar é fazer.

Caminhar é fazer escolhas, buscar rumos, trajetos, destinos, encontrar bifurcações, rodar em círculos, passar do ponto, errar a rota, descarrilar, mas manter-se em deslocamento, sempre, para sentir-se vivo, mesmo quando a inércia, essa sedutora contumaz, oferece o acachapante conforto da quietude, nos convencendo de que não adianta mais tentar avançar.

Como diria o poeta Antonio Machado: “Caminante, son tus huellas el camino, y nada más; caminante, no hay camino, se hace camino al andar. Al andar se hace camino, y al volver la vista atrás se ve la senda que nunca se ha de volver a pisar. Caminante no hay camino, sino estelas en la mar.” Caminhemos!

Image-1

Marcelo Flecha

Diretor e dramaturgo, é um dos idealizadores da Pequena Companhia de Teatro, de São Luís (MA). Publicou o livro Cinco Tempos em Cinco Textos: Dramaturgia Reunida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s