Marcelo Flecha: Vagabundo, com muito orgulho!

IMG_3048

Para a sociedade em geral, desde o primeiro dia em que resolvi viver de teatro, sou um vagabundo. Isso nunca me incomodou, nem deveria, pois decidi abraçar minha profissão, artista, por saber que vivia em uma sociedade conservadora, preconceituosa, desinformada, machista, retrógrada, e por compreender que, através do teatro, eu poderia auxiliar a reverter essa situação, contestando, instigando, questionando, transgredindo, esclarecendo, atuando.

Com o hodierno acaloramento do debate político, essas pechas – vagabundo, viado, maconheiro – ressurgem das trevas, e o artista volta a ser sinônimo de boa-vida, borra-botas, marginal. Confesso que isso não me destempera. Acredito na opção que fiz. Nestes quase trinta anos de arte, são inúmeras as pessoas que, através da minha prática, da minha ética, da busca dialética, da minha cara patética, mudaram de opinião, e, em vez de me injuriar, passaram a compreender que, aquilo que parecia vadiagem, era apenas uma forma diferente de vida, fora da curva, além do óbvio. Ganhei o respeito de muitos, tantos, que eu não poderia quantificar, superando a mais otimista expectativa. Fui muito além do que eu poderia imaginar, e qualquer um que tenha começado a fazer teatro trinta anos atrás, no interior do Maranhão, sabe do que estou falando.

Tenho uma frase que diz: reconhecimento não se busca, se espera. Pois eu nunca esperei ter sequer o reconhecimento dos meus pares, imagine da família, da sociedade, do mercado, do careta. Claro que falta muito, e sinto pena por não ter conseguido ainda fazer com que esses, que enxergam apenas o caminho, não tenham almejado levantar a vista para ver o horizonte. O meu trabalho consiste nisso. É nisso que acredito, é por isso que luto; para construir uma sociedade mais justa, menos reacionária, mais democrática, mais esclarecida.

DSC01308

Compreendo que o momento atual é de confronto, mas acredito que a grande maioria dos que enxergam a arte como uma brincadeira supérflua fazem isso por ignorância. Aqueles que entendem assim, que somos vagabundos, ainda não conseguem olhar além, e encontram-se encerrados, presos, sufocados dentro de um capô de Fusca. Se eu conseguisse chegar a eles com minha arte, sei que um diálogo se abriria. Se eu conseguisse chegar a eles com o argumento da minha opção de vida, tenho certeza que outras pessoas passariam a engordar o coro dos descontentes – digo “grande maioria” porque no mundo sempre há um lugarzinho para um canalha, e esse é outro tipo de gente.

Acredito nisso. Acredito tão profundamente no poder do teatro, da arte, que chego a me surpreender com minha própria tolerância. E penso além. Sempre pensei.  Como vagabundo sempre estive à margem, e a ideia dessa marginalidade sempre me foi cara. O trabalho é uma invenção. Fico com a primeira definição do Houaiss para vagabundo: “que ou quem leva vida errante, perambula, vagueia, vagabundeia”. É o que faço, vagar pelo país levanto o teatro que acredito para todo e qualquer público que queira refletir, discutir e transformar com a gente.

Agora, se você não aceita o argumento, se não lhe interessa dialogar, ou me chama de vagabundo por mera preguiça intelectual, nesse caso, não se preocupe, eu não faço teatro para você.

IMG_3640

Marcelo Flecha

Diretor e dramaturgo, é um dos idealizadores da Pequena Companhia de Teatro, de São Luís (MA). Publicou o livro Cinco Tempos em Cinco Textos: Dramaturgia Reunida

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s