Santiago Santos: Das minhas férias em termas tibetanas

f2c756b0-4bfb-4af5-9d48-70e0f7a658eb

Contraqwert me aconselhou a trazer uma sunga. Agora eu entendo. As águas termais deste resort tibetano são mesmo incríveis. Uma massagem no espírito, dizem as propagandas.

Subo enrolado numa toalha e vejo Contraqwert mexendo no computador, dois copos com sombrinhas penduradas nas bordas, ao seu lado, vazios.

Enchendo a cara antes do trabalho?, digo. Pedi sem álcool, diz ele.

Visto meu look de férias. Ligo na recepção e peço um travesseiro extra. Três minutos pra batida na porta.

Boa tarde, senhor. Aqui o seu travesseiro.

Ah, sim, obrigado, digo. Entre, por gentileza, vou pegar uma gorjeta na carteira. Aliás, pode dar uma olhada no chuveiro? Ouvi um barulho estranho mais cedo.

O garoto entra no boxe. Contraqwert vem da sacada, entra atrás dele, enfia a agulha na lateral do pescoço, certeira na jugular. Se há algo que sempre elogiei em meu parceiro é sua mira perfeita.

Deitamos o garoto na cama e pegamos a oculária. Contraqwert acopla o tubo removedor sobre o olho esquerdo e liga. O globo desencaixa da órbita, paira no centro do tubo. Ele prega a ponta do eletrodo no nervo ocular com uma pinça cirúrgica. Ligamos a tela. A oculária reproduz imagens capturadas que permanecem por até 24 horas, coletadas dos dados enviados ao córtex visual. Retrocedemos as imagens até o muquifo do garoto, o prato que comeu no almoço, a sala de aula de uma faculdade, o teto do seu quarto e, finalmente, os corredores do resort na noite anterior. São vários clientes. Logo o identificamos. Ontem ela era um senhor negro, entre cinquenta e sessenta anos, de cabelos ralos e óculos quadrados.

É uma troca rápida. O garoto entrega a ele uma cartela de pilhas AA. O senhor entrega o dinheiro. Suas mãos não se tocam. São três notas de 1 dólar americano. Pego a carteira do bolso da sua calça. As notas não estão ali. Volto a cena, reparando no que o rapaz conseguiu ver do quarto pela porta entreaberta. A cama está perfeitamente arrumada, o quadro na parede intocado, a sacada fechada. O lugar já foi verificado à exaustão. Não temos nada.

Procuro nos outros bolsos do garoto. Contraqwert desprega o eletrodo e devolve o olho à órbita. Acho notas amassadas dentro do bolso do paletó. Duas notas de cinco dólares e três de um dólar. Ensaco as notas pequenas, puxo o lacre à vácuo. Talvez consigam a digital do homem que ela foi ontem. Talvez rastreiem-no até sua origem. Talvez achem outra coisa. De grão em grão.

Contraqwert borrifa o fungo restaurador no olho do garoto. Anestésico e calmante. Tirando a coceira por alguns dias, ele ficará bem.

Recolhemos nossas coisas do quarto, fechamos a conta na recepção e entramos no carro. Seguimos pro aeroporto ao som de Deep Purple.

santiago santos

Drop originalmente publicado no Flash Fiction
Arte da vitrine por GORA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s