Jefferson Pereira: O Muro

O Muro

Dentro de mim há
Um muro de Berlim.
Feito e desfeito
Numa ruína sem fim.

Muro que cai e ergue-se
Nas horas desesperadas
Do tempo refeito de aço.

Minha carne é pedra;
A alma água que corre
O rio e morre no mar.

O muro das incertezas
Guia-me pelas correntezas
Dessa coisa estranha que é
Cair e levantar.

jefferson pereira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s