3 poemas de Sofia Ferrés

às 5 em ponto
o sol se espeta
na altura do olho
metade fica atrás
do prédio, metade ataca
e derrete toda a fachada
o quarteirão todo vira
um mar Amarelo ouro

★★★

se eu for reto
pelo caminho
Vermelho que
desprendo do
peito chegaria
direto no bairro
lá embaixo onde
nos conhecemos

★★★

lembro de trepar pelos braços, troncos, galhos
me arranhando, a árvore me subia pelo Verde
eu via o mundo erguida
cinco vezes maior que a
minha estatura de menina
sem medo da queda Azul
.
os braços de madeira
são também da cadeira
de balanço
de onde olho fixo, hoje
da janela pra fora
a árvore da frente

sofia ferres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s