3 poemas de Sofia Ferrés

unnamed

aqueço a cachoeira a 38º
sinto embaixo ensurdecer
com barulho oco de selva
a lâmpada gera
40 watt
de entardecer
e o vapor de
alecrim mato
em essência
quase nem noto diferença
entre sabiá e esse alarme
de celular. estou plena
envolta em natureza
morta

eis que chega aquela
hora do dia: acabou
o dia. deito reta
colcha manta em cima
arrumo a franja da
colcha, olho fixo
pro teto peço pro
gato parar quieto
logo logo elas
chegam – as luzes
e um som de fundo
unindo tudo
que existe

madrugada inteira
dando corpo a um poema
é uma pena não
deixá-la dormir

★★★

sofia ferres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s