VULCÃO [criação e pesquisa cênica] ocupa o histórico Teatro de Arena com a apresentação dos espetáculos ‘Pulso’ e ‘Brincar de Pensar’

O recém-criado Vulcão [criação e pesquisa cênica] ocupa o Teatro de Arena de São Paulo com programação que inclui o solo “Pulso – a partir da vida e da obra de Sylvia Plath”, o espetáculo “Brincar de Pensar – contos de Clarice Lispector no palco para pessoas grandes ou pequenas”, além de conversas com outros criadores do teatro paulistano.

unnamed1

Depois de duas temporadas de sucesso, uma no Sesc Consolação, com os espetáculos Pulso – a partir da vida e da obra de Sylvia Plath, e A Dor – a partir de La Douleur de Marguerite Duras, e outra no Teatro Viga Espaço Cênico de Pulso, VULCÃO [criação e pesquisa cênica] volta aos palcos, agora com uma programação de ocupação do histórico Teatro de Arena de São Paulo. Estarão na agenda o solo “Pulso – a partir da vida e da obra de Sylvia Plath”, com a atriz Elisa Volpatto, entre os dias 15/09 e 01/10, de quinta a sábado às 21h e domingos às 19 horas, e o infanto-juvenil “Brincar de Pensar”, nos domingos dias 18 e 25/09 às 15h., ambos com direção de Vanessa Bruno. A programação ainda conta com dois encontros, dias 21 e 28/09, às 20h., com outros artistas de São Paulo que também têm trabalhado com investigações que transpõem a literatura para o palco. Além disso, às quintas-feiras (15, 22 e 29 de setembro) a atriz Elisa Volpatto, a diretora Vanessa Bruno e preparadora corporal Lívia Vilela abrem, após o espetáculo, dialogo com público sobre a temática e processos de criação.

Sobre Pulso –  a partir da vida e da obra de Sylvia Plath

Mantendo a poética particular da autora, o solo explora, para além do feminino, as vicissitudes de todo e qualquer ser humano a partir, ora de fragmentos biográficos da escritora, ora da potência que sua obra desdobra. Para a diretora Vanessa Bruno a intenção é colocar em cena a profundidade da vida e da obra de uma importante mulher, tendo como eixo fundamental da encenação o trabalho da atriz.

Sylvia Plath

A partir da vida e obra do ícone da poesia confessional norte-americana, Sylvia Plath, PULSO foi construído das indagações da diretora Vanessa Bruno à atriz Elisa Volpatto, que respondeu cenicamente. Valendo-se de materiais como as biografias A Mulher Calada, de Janet Malcolm e Ísis Americana – A vida e a arte de Sylvia Plath, de Carl Rollyson, Os Diários de Sylvia Plath, organizado por Karen V. Kukil e também o mais importante livro de poemas de Sylvia, Ariel, a atriz organizou a dramaturgia do espetáculo.

Para Vanessa Bruno, a montagem não se pretende linear, mas, fragmentada, com lógica própria. “A linguagem cênica contemporânea articula-se com literatura poética para a construção de um trabalho intimista. Buscamos uma cena confessional e que tenha poesia”, conta ela. Já Elisa Volpatto explica que o espetáculo busca questionar, por meio do material artístico criado a partir de Sylvia, o próprio papel da artista feminina atualmente.

Café, ovo e bebida alcoólica

A ideia de levar Sylvia Plath aos palcos partiu de uma vontade da atriz Elisa Volpatto de falar da criação artística dentro de um universo feminino. “Sylvia Plath tem uma forma de escrita única, que só existe devido à influência do ambiente que a circunda. Imagine uma mulher tentando ser poeta na década de 50, quando o comum era ficar em casa cuidando dos filhos”, diz a atriz. Para a direção, Elisa chegou em Vanessa Bruno por conta de sua pesquisa de deslocamento da literatura para o palco – Vanessa já dirigiu dois espetáculos com textos de Clarice Lispector.

PULSO escolhe como situação cênica o último dia de vida da poetisa Sylvia Plath para revelar, em tom confessional – característica determinante da literatura da autora –, memórias e devaneios de alguns dos momentos de sua vida.

O cenário é composto por um fogão e uma cadeira, que delimitam o espaço de jogo da atriz. Objetos caseiros como xícaras, pratos, panos e copos compõem um ambiente familiar, encarcerando a personagem. Um clima sensorial é criado quando cheiros – de café, ovo quebrado e bebida alcoólica– invadem o ambiente intensificando a relação da atriz com o material artístico criado. A interferência de vídeo e trilha sonora também contribui para a construção de uma atmosfera onírica.

Direção e atriz

Vanessa Bruno – desde 2004 colabora no Centro de Pesquisa Teatral – CPT dirigido por Antunes Filho, onde esteve como atriz em A Pedra do Reino, Prét-à-porter 9 e na condução de aulas no CPTzinho. Dirigiu O Ovo e a Galinha (2010) e Brincar de Pensar (2013) ambos com a literatura de Clarice Lispector.

Elisa Volpatto – atriz gaúcha, residente em São Paulo desde 2010. Protagonizou a série Mulher de Fases, da HBO em 2011, e um ano antes recebeu o prêmio Kikito de melhor atriz pelo curta Um Animal Menor.

Sobre Brincar de Pensar – contos de Clarice no Palco para grandes ou pequenos

Seguindo a tendência de deslocar a literatura para o palco, o espetáculo infanto-juvenil BRINCAR DE PENSAR – CONTOS DE CLARICE LISPECTOR NO PALCO PARA PESSOAS GRANDES OU PEQUENAS traz ao palco o universo literário particular e sensível de Clarice Lispector. Os oitos contos que compõem o espetáculo multimídia jogam foco na narrativa de prosa poética da autora, e apresentam em comum as memórias da infância e devaneios próprios de todas as idades.

A montagem, com direção de Vanessa Bruno, apoio dramatúrgico de Michelle Ferreira traz no elenco os atores Isabel Wilker, Lívia Vilela, Elisa Volpatto e Luiz Felipe Bianchini, e, mostra situações comuns vividas pelas pessoas, como pedir um livro emprestado, vestir-se para um baile de carnaval, ou observar um inseto em cima de um quadro.

Em BRINCAR DE PENSAR – CONTOS DE CLARICE LISPECTOR NO PALCO PARA PESSOAS GRANDES OU PEQUENAS a personagem Marília (Isabel Wilker) recebe um presente inesperado e anônimo que desperta sua imaginação e permite que Outrem (Luiz Felipe Bianchini) e Maria-Mole (papel revezado entre Lívia Vilela e Elisa Volpatto) saiam do empoeirado sótão para brincar de pensar, imaginar, lembrar e criar através das palavras.

Os contos de Clarice Lispector

Para a diretora Vanessa Bruno, o espetáculo é direcionado para pais e filhos, pois conjuga várias linguagens e cria um fio condutor para dar voz cênica às palavras da autora. “A montagem é um convite a filosofar, imaginar, perguntar, lembrar, inventar, duvidar, entender e sentir. Usamos as palavras de Clarice Lispector e as imagens e jogos trazidos pelos atores em cena para esse fim”, explica ela.

Apresentada em capítulos, como se o público estivesse virando as páginas de um livro, a peça abre a porta da memória para que objetos, histórias e seus personagens saiam do empoeirado esquecimento evocando os oito contos de Clarice Lispector. Felicidade Clandestina traz à memória uma menina, de 8 anos de idade, devoradora de histórias que implorava emprestado à filha do dono de livraria os livros que ela não lia. Persistência e amor à leitura conduzem a narrativa até o livro ser conseguido. Restos do Carnaval conta outra memória, da menina que desejava ir pela primeira vez a um baile de carnaval. Come, Meu Filho revela diálogo irreverente entre mãe e seu filho; ele dá voz a seus devaneios e reflexões. Sou uma Pergunta? são centenas de perguntas questionando cores, situações, comportamentos e crenças. Uma Esperança traz mãe e filho frente ao inseto verde chamado esperança e uma enorme aranha. Das Vantagens de Ser Bobo narra observações entre o esperto e o bobo. Se Eu Fosse Eu imagina como seria tudo diferente se cada um fosse si mesmo. E por fim, Brincar de Pensar conta os prazeres e divertimentos que se tem em pensar.

Sobre o elenco:

Isabel Wilker – seus trabalhos mais recentes no teatro são os espetáculos “A Casa de Bernarda Alba”, com direção de Elias Andreato e “Hora Amarela”, com direção de Monique Gardenberg. Na televisão, participa da série original da HBO Brasil “O Negócio” e também do elenco da novela das 19hrs na TV Globo “Haja Coração”.

Livia Vilela – atriz e preparadora corporal especialista na Técnica Klauss Vianna. É uma das propositoras do VULCÃO, no qual fez a preparação corporal dos espetáculos “Pulso” e “A Dor”.

Luiz Felipe Bianchini – ator formado pelo curso de Bacharelado e Licenciatura em Teatro da Universidade do Estado de Santa Cataria (UDESC), é aluno da EAD/ECA/USP. Pesquisa semanalmente a linguagem do Palhaço com Cristiane Paoli-Quito.

VULCÃO CONVERSA SOBRE A SALA DE ENSAIO COM CRIADORES QUE TRANSPÕEM A LITERATURA PARA O PALCO

Paralelamente à programação de espetáculos, VULCÃO convida em duas quartas-feiras (dias 21 e 28/09) outros criadores paulistanos que também transpõem a literatura para a cena.

Quarta – 21 de setembro 20h – Vulcāo Conversa com Emerson Danesi, diretor de “Marguerite, Mon Amour – Recital.Duras” a partir da obra de MARGUERITE DURAS, juntamente, com a diretora Malú Bazán e a dramaturga Marina Corazza, criadoras de “Alice, retrato de mulher que cozinha ao fundo” baseado na vida e obra de ALICE B. TOKLAS e GERTRUDE STEIN.

Quarta – 28 de setembro 20h – Vulcāo Conversa com o ator Gabriel Miziara, que atua e dirige “Ondas ou Uma Autópsia” de VIRGINIA WOOLF juntamente com a atriz Natalia Gonsales, idealizadora de “A Última Dança” e com César Baptista com quem dividiu a direção e responsável pela dramaturgia a partir de textos de SIMONE WEIL.

Sobre Vulcão [criação e pesquisa cênica]

Surgido da união de artistas autônomos com desejo comum de concretizar suas pesquisas artísticas e criações autorais, Vulcão [criação e pesquisa cênica] desenvolve projetos de investigação teatral que explorem a condição humana. O trabalho realizado permeia um viés sensível e potente esteticamente, criando o teatro como uma experiência de alteridade deflagrada a partir das fragilidades humanas. À dois primeiros trabalhos – PULSO e A DOR  – somou-se BRINCAR DE PENSAR, os três espetáculos propõem interagir com grandes mulheres do século XX, em busca de diálogos possíveis entre o agora e parte da história das aspirações femininas. Esse diálogo, neste projeto, se faz entre o Teatro e a Literatura, campos por natureza do sensível na exploração do humano. O coletivo, que é formado pelos artistas Vanessa Bruno, Lívia Vilela, Elisa Volpatto, Rita Grillo e Paulo Salvetti, deseja aproximar diferentes linguagens, unir dança ao teatro, literatura e vídeo e vê como motor catalizador – principal e determinante – o trabalho do intérprete.

brincar-de-pensar-mube-3

Para roteiro:

Programa Cena Aberta Funarte 2016 – SP

Teatro de Arena Eugênio Kusnet

Espetáculo: Pulso – a partir da vida e da obra de Sylvia Plath. De 15 de setembro a 1º de outubro | De quintas a sábados, às 21h, domingos, às 19h. Encontros com Público – Quintas, 15, 22 e 29 de setembro após o espetáculo. Proposição e interpretação: Elisa Volpatto | Direção: Vanessa Bruno | Preparação corporal e assistência de direção: Livia Vilela | Iluminação: Maurício Shirakawa | Trilha Sonora: Edson Secco | Laboratório de criação de figurino: Carolina Sudati | Identidade visual: Cezar Siqueira e Marcelo Bilibio | Visagismo: Britney | Fotos: Betânia Dutra e Cezar Siqueira | Produção: Paulo Salvetti | Realização: Vulcão [criação e pesquisa cênica] | Apoio: Casa das Caldeiras

Duração: 50 min | Classificação etária: 14 anos

Ingressos: R$30 (meia-entrada: R$15). Bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Um ingresso por pessoa – não aceita cartão.

Sinopse – Solo inspirado na vida e na obra do ícone da poesia confessional norte-americana dos anos 50, Sylvia Plath. A peça escolhe como situação cênica o último dia de vida da poetisa para revelar, em tom confessional – característica determinante da literatura da autora, memórias e devaneios dos momentos mais importantes de sua vida.

Espetáculo: Brincar de pensar – contos de Clarice Lispector no palco para pessoas grandes ou pequenas

Dias 18 e 25 de setembro | Domingos, às 15h

Proposiçāo e direção: Vanessa Bruno | Apoio dramatúrgico: Michelle Ferreira | Elenco: Isabel Wilker, Lívia Vilela, Elisa Volpatto e Luiz Felipe Bianchini | Produção multimídia: Lucas Pretti e Rafael Frazão | Trilha sonora: Edson Secco | Composição e execução da canção tema: Tatiana Parra e Fábio Barros | Assistente de direção: Livia Vilela | Produção: Paulo Salvetti | Realização: Vulcão [criação e pesquisa cênica]

Duração: 50 min | Classificação etária:apartir de 7 anos

Ingressos: R$20 (meia-entrada: R$10). Bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Um ingresso por pessoa – não aceita cartão.

Troca de Ideias – Quartas-feiras, 20h – 21 e 28 de setembro

21 de setembro – Vulcāo Conversa com Emerson Danesi, Malú Bazán e Marina Corazza.

28 de setembro – Vulcāo Conversa com Gabriel Miziara, Natalia Gonsales, César Baptista.

 Realização: Vulcão [criação e pesquisa cênica]

Duração: 60 min | Classificação etária: a partir de 14 anos

Gratuito

Contatos

Paulo Salvetti

981698492 – psalvetti@gmail.com

Vanessa Bruno

997495104 – vanessabruno@terra.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s