Aline Bei: quando a gente Para

charles-bradley_647x325

 

 

estávamos cansados, eu disse:

– você quer?
transar agora.

nos olhamos num sim que deu o Impulso,
montei em você tão menos cansada
a boca aberta
entrando o ar tão íntimo
no meio de nós como um filho.
pelo espelho percebi o tamanho que a gente fica um em cima do outro,
se levanto o braço alcanço o teto
depois o apartamento vizinho onde mora a viúva que tenta
não ser triste e consegue,
na maior parte do tempo.
cavalgando suada com a coxa queimando percebi que cada dia
é único, ainda que longos anos juntos tenham passado por nós, por mim, como se o vidro do carro estivesse aberto com tudo escorrendo
a viagem
a estrada
as pessoas
os sonhos, cada dia é uma rua que ninguém nunca viu.
deitamos depois do sexo um no outro e ouvimos
música
dizendo por cima dos sons o quanto a música chega
direto no
coração.

– desde criança eu me impressionava com o rádio de casa,
os furos do rádio,
os sons saídos dos furos.
a Hora da Saudade, aquele programa do eli corrêa que lia Carta, tinha uma música atrás enquanto ele lia a história da carta, geralmente uma história de morte.
o horário do programa era depois do almoço. ouvíamos eu, minha mãe e a Arlete,
no tanque a roupa
de molho esperava
se fosse num rio ela não esperaria
a correnteza levaria as meias, as calcinhas, tudo pro fundo
das pedras onde o Domingos morreu. – eu disse

e a gente pelado
sem querer transar de novo
o cachorro cheirando o lençol do sexo.
aquilo
me lembrava a felicidade que senti quando andei de bicicleta sozinha pela primeira vez. caí na rua e voltei
com a bicicleta na mão,
o joelho sangrando,
o sorriso pequeno sem precisar de ninguém, ainda que parecesse.
na mesa do nosso quarto tinha chocolate, dinheiro,
uns livros,
a chave
e eu não querendo
nada
apenas ficar no seu peito falando de
música:

– charles bradley sofre quando canta, ele tem um rosto de dor – eu disse.

o charles no metrô
gravando seu clip ficando muito famoso sem poder na vida real pegar um metrô e não ser abordado por pessoas que já ouviram a sua música
que já viram a sua cara
na internet e gostaram muito
de tudo
da cara, da música, da interpretação e se sentiram menos sozinhas.
charles faz companhia para estranhos,
lutou por isso a vida toda,
quando canta ele não pensa no sucesso,
mas depois ele pensa
e também nas contas que ele tem que pagar.
você diz:

-claro.

e me faz um
cafuné
mostrando que a vida é só o momento que temos respirando.
o resto é ânsia
de ansiedade
ou gaveta
de guardar o que já foi.
respiro fundo
suspeitando que não aguento
entendo kurt cobain que se matou.

– mas você é tão forte. – diziam.

a vida é tão longa, eu digo,
uma solidão de mar no inverno
que não dói.
-tenho mais dias que não doem. – te digo enquanto você quase dorme
o cafuné se
desmancha, seu pau parece uma bexiga
sem ar.

 

alinebei

Confira os textos anteriores da escritora Aline Bei 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s