O poema de André Bonfim

André Bomfim

André Bomfim

no diário perdido
a bordo das traças
& baratas afins

o hóspede da vez
é um retrato qualquer
deitado na ponta dos dedos

no rosto
um lapso de sonho
dependurado & colocado
no spc serasa etc

algo como um pêndulo
na gema do olho

algo como um ocaso qualquer
sem âncoras nem terra firme

no retrato qualquer
idos dos seis sete anos
cheio de esporas nos pés
que gritam (ainda)
às sinapses
aos ouvidos moucos
& esquecidos:

levanta-te & corre
derruba a torre
os cavalos
os bispos
os reis
queime esse tabuleiro

[diariamente

(22:35 // 26.09.2016)

★★★

André Bonfim é poeta, callejero & professor de filosofia.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s