As relações entre política e literatura, o impacto da história brasileira recente no ensino literário no exterior e as traduções são tema de debate no Itaú Cultural

Dois eventos concomitantes em três dias voltados para a literatura no instituto: Encontros de Interrogação, com curadoria de Maria José Silveira, Ítalo Moriconi, Eduardo Sterzi e Fernando Paixão, discute as diferentes formas e percepções das relações entre literatura e política; Conexões Itaú Cultural — Mapeamento Internacional da Literatura Brasileira, trata de tradução, pesquisa e ensino de literatura brasileira no exterior

Josélia Aguiar

Josélia Aguiar

A literatura está na pauta do Itaú Cultural, de 9 a 11 de novembro (quarta-feira a sexta-feira), com as mesas do Conexões Itaú Cultural, sempre às 16h, e os debates do Encontros de Interrogação, todos os dias às 18h e às 20h.  Na primeira atividade, os temas debatidos por escritores, tradutores e especialistas são os projetos de tradução do livro Grande Sertão: Veredas, os estudos e traduções da obra de Luiz Ruffato e o impacto da história recente do Brasil nas discussões nas salas de aula de cultura e literatura brasileiras, em universidades estrangeiras. Na outra inciativa, a curadoria do evento, formada pelos escritores Maria José Silveira, Ítalo Moriconi, Eduardo Sterzi e Fernando Paixão, apresenta provocações que tratam das diferentes formas e percepções das relações entre literatura e política.

 Encontros de Interrogação

Como o nome sugere, o Encontros de Interrogação procura indagar sobre a momento atual da literatura. Nesta edição, elas giram em torno das diferentes formas e percepções das relações entre literatura e política. A primeira mesa, no dia 9, às 18h, questiona a política do texto hoje entre autoria ou crítica. Ítalo Moriconi, Ricardo Lísias e Paloma Vidal, com mediação de Ieda Magri, falam sobre as transformações da relação entre escrita, função autoral e crítica influenciadas pelo suporte digital e pelo contexto de possibilidade democrática em que emerge uma noção de direito à escrita. A segunda mesa, às 20h, perguntaComo a forma se torna conteúdo político? José Luiz Passos, Fernando Paixão e Beatriz Bracher, com mediação de Josélia Aguiar, atual curadora da Flip, procuram responder.

Ricardo Aleixo

Ricardo Aleixo

O dia 10 traz duas mesas, respectivamente com as seguintes perguntas: “quais são as outras línguas da literatura?” e “o projeto literário implica uma escolha política?” Na primeira, às 18h, a resposta vem de Douglas Diegues, Kaká Werá e Jarid Arraes, com mediação de Sérgio Cohn. No debate, eles falam sobre a experiência da literatura no Brasil além das formas cultas, podendo se constituir também pela interceptação e alteração do idioma oficial por formas e maneiras vindas de outras línguas. Na segunda, às 20h, se juntam Maria José Silveira, Ana Maria Gonçalves, Alberto Mussa. Com mediação de Roberto Taddei eles refletem sobre a postura do escritor frente aos conflitos e transformações em que a sociedade continuamente nos coloca.

Às 18h do dia 11, Sheyla Smanioto, Márcio Souza e Ricardo Aleixo, com mediação de Noemi Jaffe refletem sobre as interações possíveis entre literatura e política. O questionamento parte do princípio de que um autor abraça a política quando escreve de maneira inspirada em certos princípios. Mas há outros fatores em que pensar já que o engajamento e o tema social são apenas uma parte da questão, há também as conexões sutis presentes na própria noção de literatura ou no estilo.

Encerrando o Encontros, no mesmo dia às 20h, o tema é a distância e convergências da política das letras e da política das imagens. Élida Tessler, Carlito Azevedo e Nuno Ramos, mediados por Eduardo Sterzi, desenvolvem respostas para esta questão (consulte a programação e resumo das mesas no atachado).

Berthold Zilly

Berthold Zilly

Conexões Itaú Cultural

O programa inédito e original Conexões Itaú Cultural – Mapeamento da Literatura Brasileira no Exterior, existe há nove anos. Neste período foram realizados eventos anuais no Brasil e encontros nos EUA, Espanha, Itália, França e Alemanha. O mapeamento apresenta um banco de dados online com cerca de 350 mapeados que trabalham com literatura brasileira em 34 países e 164 instituições de pesquisa ou ensino. Para conhecer: www.conexoesitaucultural.org.br.

O encontro Conexões deste ano, no Brasil, é realizado umas horas do início das mesas do Encontros de Interrogação, nos mesmos dias 9 a 11.  Abre na quarta-feira, 9, às 16h, reunindo os tradutores Alison Entrekin e Berthold Zilly e a professora e curadora do Fundo João Guimarães Rosa, do IEB, Sandra Guardini Vasconcelos, com mediação de Felipe Lindoso, debatem o seu ofício: se o tradutor pode ser considerado um leitor privilegiado, o impacto de cada tradução no seu conhecimento literário, e a complexidade de determinadas traduções, como a de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa.

 Luiz Ruffato, um dos escritores brasileiros com mais espaço no cenário internacional, é o tema da mesa seguinte, na quinta-feira, também às 16h. O próprio autor, mais os escritores Michael Kegler e Nelson Vieira, e mediação de Rita Palmeira, falam sobre as traduções de suas obras em vários países, de como ele lida com a agenda em feiras universidades e de que modo isso contribui para a circulação e ensino da literatura brasileira no exterior.

Luiz Ruffato

Luiz Ruffato

Encerrando o Conexões na sexta-feira, 10, mesmo horário, o tema debatido por Lucia Tennina e Nelson Vieira, com mediação de João Cezar de Castro Rocha são as manifestações de junho de 2013 em todo o Brasil. Elas foram um divisor de águas que traz diversas interpretação e ampliaram a dimensão do político, não apenas no cotidiano brasileiro, mas também nas artes e na literatura. A pergunta diante desta constatação é que impacto gerou nas salas de aulas no exterior (consulte a programação e resumo das mesas no atachado).

Sheyla Smanioto

Sheyla Smanioto

SERVIÇO

De 9 a 11 de novembro (quarta-feira a sexta-feira)

Às 16h: Conexões Itaú Cultural na Sala Vermelha (80 lugares)

Às 18h e às 20h: Encontros de Interrogação, na Sala Itaú Cultural (254 lugares)

Distribuição de ingressos:

Público preferencial: 2 horas antes do espetáculo

Público não preferencial: 1 hora antes do espetáculo

Classificação indicativa: 14 anos

Entrada gratuita

Intepretação em Libras

Estacionamento: Entrada pela Rua Leôncio de Carvalho

R$ 10 pelo período de 12 horas

Se o visitante carimbar o tíquete na recepção do Itaú Cultural: 3 horas: R$ 7;

4 horas: R$ 9; 5 a 12 horas: R$ 10

Com manobrista e seguro, gratuito para bicicletas

Acesso para deficientes físicos

Ar condicionado

Itaú Cultural

Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô

Fones: 11. 2168-1776/1777

www.itaucultural.org.br

www.twitter.com/itaucultural

www.facebook.com/itaucultural

www.youtube.com/itaucultural

www.flickr.com/itaucultural

Assessoria de Imprensa:

Conteúdo Comunicação

Fone: 11.5056-9800

Carina Bordalo: carina.bordalo@conteudonet.com

Cristina R. Durán: cristina.duran@conteudonet.com

Isadora Bertolini: isadora.bertolini@conteudonet.com

Karinna Cerullo: cacau.cerullo@conteudonet.com

Roberta Montanari: roberta.montanari@conteudonet.com

No Itaú Cultural:

Fone: 11.2168-1950

Larissa Correa:  larissa.correa@mailer.com.br

www.conteudocomunicacao.com.br

www.twitter.com/agenciaconteudo

www.facebook.com/agenciaconteudo

libras

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s