O poema de André Bonfim

estava alucinado com aquelas palavras
brotando entre os dedos

a sensação era parecida com a de saltar
naquela cachoeira em Taquara

tinha sete ou oito anos

era um moleque que viu os outros saltando
& esperou todos partirem para a outra
pedra para poder experimentar o salto

estava alucinado com aquelas palavras
fazendo com que o peito ficasse aquecido
& sentisse uma tontura
a boca seca
os olhos fixos nos versos debulhados

os garranchos eram dignos de um quadro de pollock
mas não ligava a mínima se aquilo fazia sentido
ou era mais um bricabraque

tinha os olhos marejados
& a sensação de que se aquilo era um poema
estaria decidido a passar o resto de seus dias
saltando
&
mergulhando nas águas frias
emergindo
com um sorriso no rosto

(quando ninguém estivesse olhando)

(18.11.2016)

★★★

André Bonfim é poeta, callejero & professor de filosofia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s