Civilização Brasileira lança a biografia de Frei Betto

Com prefácio de Fidel Castro, obra escrita pelo historiador Américo Freire e a jornalista Evanize Sydow conta a história de vida em meio ao contexto histórico do Brasil em sua época

unnamed-2Filho de uma tradicional família mineira, com mãe católica e pai avesso aos homens de batina, Frei Betto teve uma infância e adolescência agitadas em Belo Horizonte na década de 60. Com um primo, se fantasiava de Zorro para entrar na casa dos amigos à noite e assustar as “vítimas”. A dupla fazia dublagens de artistas como Elvis Presley e Maurice Chevalier e chegaram a marcar uma apresentação na TV Italocomi, da qual Frei Betto desistiu. Sua carreira artística não decolou, mas a paixão pelos livros já era latente e o talento para escrever, também. O adolescente Betto namorava, andava com uma turminha do bairro que aprontava pelas ruas e chegou a ser expulso de uma das escolas onde estudava por se recusar a apresentar um trabalho em francês numa aula. Foi na mudança para um colégio público, onde estudava à noite e com colegas de várias classes sociais, que Betto começou a mudar. Logo depois, conheceu e entrou para a Juventude Estudantil Católica e percebeu que tinha uma vocação: a religiosa.

Essas e tantas outras histórias saborosas estão na biografia “Frei Betto”, escrita pela jornalista Evanize Sydow e o historiador Américo Freire e publicada agora pela Civilização Brasileira. Os dois revelam detalhes da vida e da obra de Frei Betto, passando por momentos-chave como a descoberta de sua vocação, a militância na educação e na Igreja e o engajamento na luta contra a ditadura no Brasil instaurada pelos militares em 1964. Sua resistência lhe rendeu uma prisão, mas também um dos seus principais livros: “Batismo de sangue”, em que conta a participação dos frades dominicanos do Convento das Perdizes na Aliança Libertadora Nacional e na captura e morte de seu principal líder, Carlos Marighela.

Os autores fizeram longas entrevistas com Frei Betto para o livro e não deixaram temas polêmicos de fora da obra, como o fato do biografado não ter sofrido tortura na prisão por ser sobrinho de um general que tinha ligações com os militares no poder. A controversa saída de Frei Betto do governo Lula, registrada no livro “A mosca azul”, e as críticas que recebeu dos petistas por isso também estão registradas. Os autores mostram como Frei Betto mantinha relações com vários setores da sociedade e também circulava com desenvoltura e tinha bom diálogo com pessoas de classes sociais diferentes.

O livro traz a sua participação na Teologia da Libertação, corrente mais progressista da Igreja Católica, e sua atuação nas greves do ABC paulista, onde estreitou a amizade com Lula, na criação do Partido dos Trabalhadores e nas campanhas petistas à Presidência da República. Revela também seus hábitos simples, sua carreira literária e a sedução que exerce sobre as mulheres. Para Frei Betto, que, segundo a obra, já experimentou o Santo Daime e se consultou com cartomantes, o celibato proporciona a liberdade de poder ter várias amigas, sem o compromisso de um casamento.

A sua vocação para ajudar os amigos e pessoas em dificuldades materiais ou espirituais é uma característica ressaltada na biografia de Frei Betto. Na doença e na morte de Tancredo Neves, por exemplo, Betto era uma presença frequente no hospital e, por ordem de dona Risoleta Neves, viajou no avião que levava o corpo do então presidente para Minas – mesmo com a contrariedade da cúpula militar, recém-saída da ditadura, da qual Frei Betto era considerado um dos inimigos. Muito próximo à família Buarque de Hollanda, batizou uma das filhas de Chico Buarque, Helena, a pedido da própria, com a qual manteve longas conversas sobre religião.

Também foi a religião que o aproximou definitivamente de Fidel Castro, que escreveu o prefácio desta biografia. O brasileiro é autor de um dos maiores best-sellers da história editorial cubana, “Fidel e a religião: conversas com Frei Betto”, no qual o ex-presidente de Cuba afirma, para surpresa dos compatriotas, a necessidade de união entre cristãos e comunistas. Frei Betto acompanhou a visita de dois Papas católicos a Cuba e é uma espécie de consultor e traço de união da Ilha com Roma.

Com depoimentos de escritores, como Luiz Ruffato e Raduan Nassar, e personalidades como o Prêmio Nobel da Paz Adolfo Perez Esquivel e o arcebispo emérito de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, “Frei Betto – Biografia” revela o significado histórico da vida e do trabalho desse personagem que fez da religião, da política, da literatura e da militância instrumentos para a criação de uma sociedade democrática e plural, que possa acolher todos os cidadãos e diminuir as desigualdades sociais no mundo.

ORELHA

Fernando Morais

Até bater os olhos nos originais deste livro, eu me achava uma autoridade em Frei Betto. A pretensão decorria, primeiro, de uma fraterna relação que nos une desde que ele deixou a prisão, no começo dos anos setenta. Ou até de antes disso, se considerarmos que minha primeira sogra tinha fortes ligações com a Ordem dos Dominicanos e era grande amiga da mãe de Betto. Em segundo lugar porque, depois de muitos anos de recusas, em 1992 ele finalmente me concedeu uma daquelas intermináveis entrevistas de abertura da revista Playboy. Em quatro exaustivas jornadas de gravações, que começaram em Havana e terminaram no Convento das Perdizes, perguntei tudo, sem qualquer censura, e a tudo ele respondeu.

À medida que avançava na leitura desta biografia, um novo Betto foi-se materializando diante dos meus olhos. Não “um outro” Betto, que confrontasse o que eu conhecia e que entrevistara. Mas aos poucos emergiam detalhes e fragmentos que enriqueciam, e muito, o perfil que minha memória guardava do polêmico religioso mineiro.

Talvez por ter sido escrito a quatro mãos por uma jornalista e um historiador, “Frei Betto: uma Biografia” seduz o leitor com uma saborosa técnica narrativa. Acompanhando os rastros e as impressões digitais deixadas pelo personagem ao longo da vida, o livro faz frequentes incursões a vol d’oiseau sobre a história do Brasil, do mundo e, claro, da Igreja, permitindo que o leitor compreenda em que contexto se dava esta ou aquela passagem da vida de Betto.

Além do prazer da leitura, este livro, com incontáveis revelações inéditas sobre o personagem central, permite entender por que a fé de Frei Betto e meu ateísmo nunca foram obstáculo para os laços que nos unem. Católica como ele, minha mãe lamentava que Betto e eu nunca tivéssemos conseguido ser irmãos em Cristo. Dona Zizina parecia se conformar, porém, com que fôssemos “irmãos em Castro”, referindo-se ao líder comunista cubano. É esse Betto, que surpreendeu o mundo ao juntar Cristo e Castro, que aparece de corpo inteiro nesta bela biografia que você lerá agora.

Depoimentos para o livro:

Frei Betto é um dos homens mais inteligentes que conheço. Tem qualidades mui­to próprias: consegue defender suas posições com convicção e determinação ao lado de uma enorme capacidade de reunir pessoas, mundos, projetos diferentes.”

Dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo emérito de São Paulo  

“Uma amizade construída faz anos por antípodas: Frei Betto com seu fervor re­ligioso e um desprovido de fé. A diferença em nada impediu o afeto e a conver­gência do nosso modo de perceber o desvairado mundo que está aí, cabendo ao ativo dominicano uma inquietude no que escreve. Acompanho de perto sua opção pelos pobres, os humilhados e ofendidos, que clamam por justiça e solidariedade, causas a que Frei Betto tem dedicado sua vida.”

Raduan Nassar, escritor  

“Frei Betto é alma comovente de integridade e entrega à sua convicção. É um apoio à resistência, pela salvação da alma, em meio à emergência da vida comum. Ele é a memória de que, na mesa de jantar, no almoço entre amigos, no plantio do umbigo da minha filha no jardim de rosas da Pampulha, no meu casamento com o Nando, no grupo de oração, na luta pela democracia e justiça, no trabalho e na arte, estamos a serviço do Sagrado em cada gesto singelo do cotidiano. Ele é compromisso com a verdade, com a integridade, com o Amor.”

Letícia Sabatella, atriz e militante de direitos humanos  

“Frei Betto é muito fraterno, muito amigo, uma pessoa com quem você pode con­tar na dificuldade. Não é à toa que ele é frei. Várias vezes eu chamei Frei Betto não para resolver problemas meus, pessoais, mas para ajudar pessoas que pre­cisavam, que estavam passando por algum aperto existencial ou religioso. E ele foi sempre solícito, generoso. Não me lembro de o Frei Betto dizer não. Sempre disponível e sempre de bom humor. Ele tem prazer em ser solidário.”

Chico Buarque, compositor e escritor  

“Frei Betto é um dos profetas de nosso tempo que nos faz sonhar com um mundo melhor e transformar esse sonho em realidade.”

Adolfo Perez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz

 

SOBRE OS AUTORES

AMÉRICO FREIRE é historiador, doutor em História Social, professor do CPDOC/FGV, pesquisador do CNPq e autor dos livros Uma capital para a República, Sinais trocados: o Rio de Janeiro e a República brasileira, entre outros. Organizou, com Jorge Ferreira, A razão indignada: Leonel Brizola em dois tempos (Civilização Brasileira, 2016).

EVANIZE SYDOW é jornalista, mestre em História e autora da biografia Dom Paulo Evaristo Arns, um homem amado e perseguido. É consultora especializada nas temáticas ligadas aos direitos humanos.

LANÇAMENTOS

Dia 28 de novembro – Debate com os autores, Frei Betto, a atriz Letícia Sabatella, o jornalista Chico Pinheiro e a advogada de presos políticos Eny Moreira na Livraria Cultura do Cine Vitória, no Rio de Janeiro, a partir das 18h30.

Dia 29 de novembro – Debate com os autores, Frei Betto, o escritor Fernando Morais, a jornalista Rose Nogueira e Rogério Sottili, ex-secretário Especial de Direitos Humanos, a partir das 18h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo.

★★★ 

FREI BETTO – BIOGRAFIA
Américo Freire e Evanize Sydow
Páginas: 472
Preço: R$ 54,90
Editora: Civilização Brasileira / Grupo Editorial Record

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s