Ana Mira: Quando Bauman mergulhou seu cachimbo

819_bauman

Andar por sobre o degelo estático do asfalto.
O continente antártico inabitado dentro de cada transeunte.

A aventura de atravessar a vida nesse barco eternamente ancorado.
A aventura de atravessar a vida dentro de um naufrágio.

A cidade não se deixa navegar.
Cada edifício é uma onda congelada.

A cidade é um mar onde o tempo não passa.
As duras braçadas, as mãos machucadas por tudo que não tocam.

E os cardumes bípedes sem direção acorrentados à correnteza.
Não percebem que estão submersos.

As guelras tardias tentando respirar a vida. Não mais que isso.
A vida: esse oxigênio que precisa ser separado do dia.

Somos a fisgada na boca.

Somos os peixes que pescam a si mesmos.
Somos os peixes e os anzóis e as iscas.
Somos os peixes que morrem afogados.

Desde que tudo que era sólido tornou-se líquido.

★★★ 

Ana Mira pensou em ser jornalista. Tentou ser moderna. Tentou ser perfeita. Mas é insegura com a verdade. Não está no Facebook. E ama seus defeitos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s