Tamires Frasson: Teoria da mulher infinit(iv)a

c1lxcubwiaakpar

Teoria da mulher infinit(iv)a

Mulher, de difícil compreensão
Indefinível exatidão, mutação, ser em constante evolução,
Deliciosa confusão.
Já nasce rimando, fazendo versos, crescendo poesia.
Vez em outra vira prosa,
Transforma tristeza em alegria e vê em tudo melodia.
Impossível restringi-la a pequenas estrofes,
Ela é texto corrido, alegoria,
Manchete de jornal, holofotes.
Já cedo veste a roupa de batalha,
E só a tira quando passa pelo fio da navalha.
Vence lutas diárias,
Ora fria, ora quente,
Ora filha, ora mãe,
Ora amante.
Despe a alma com inocência, mas sem cautela,
Mesmo quando o momento requer sentinela.
Amor graduado, sentimento abstrato,
Transborda a todo instante,
Não se importa com o que vem adiante.
Na dor, explora as artérias,
Vive-a sem dó, odeia miséria.
Por ser tantas fases, pode-se compará-la a um fenômeno natural:
Vulcão em erupção!
Ou quem sabe até a um astro em órbita,
Rodeado por alguma constelação.
É luz, é escuridão,
É loucura e muita paixão.
Sinônimos, adjetivos, antônimos…
Superlativo absoluto ou relativo?
Sorte dos que podem amar a uma e respeitar a todas.
Azar dos que não sabem aproveitar
A intensa conjunção de sintonia com muita magia.
Mesmo quando a vontade é gritar,
Vive em silêncio, poeticamente…
Mulher, que nasceu semente,
Agora floresce ambigua-mente.

tamires-frasson

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s