“o rato roeu os caprichos”, poema livre com Nil Kremer

Dancer, de Joan Miro (1925 )

Dancer, de Joan Miro (1925)

o rato roeu os caprichos
capítulo de introdução
roeu a estria
frio na barriga
roeu cantigas fora do tom

roeu logo
marcas de alto custo
roeu o busto artificial
roeu a claridade da sombra
roeu o roteiro preciso
de futuros impróprios
roeu rótulos de medicação
roeu alívios imediatos
roeu destroços
náufragos remorsos

esse rato condômino
anônimo lambeu a louça da pia
roeu a agonia armazenada
depósitos de estrada
roeu
os nada
nichos de pequenas coisas
farelos de ontem na foto amarelada
a piada sem graça
a pirraça do espelho
roeu a traça antes da folha
roeu o papão patrão ponto
o canto gelado da cama
as certezas do espelho
o vermelho mangue
sugou o sangue
frio
roeu o que eu era
e o que sou cuspiu

nil-kremer

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s