Contextos Literários: João Ubaldo Ribeiro

joao_ubaldo

João Ubaldo Ribeiro (Foto: Marco Antonio Cavalcanti / Agencia O Globo)

Acomodar-se na cadeira. Sem firulas, partir para o título, a dedicatória e mergulhar na escrita dos capítulos. Esse era o modo como João Ubaldo Ribeiro tecia cada um de seus livros, desconfiando de processos criativos rebuscados ou exagerados. Mas seguia à risca o hábito de não interromper um romance para não se afastar da história nem se perder dos personagens. Em vez de facilitar a vida, achava que o computador atrapalhava. A tecnologia incitava o autor a examinar mais o texto, alterando o que não devia. Resultado: redigir com o recurso do “delete” sempre a mão levava mais tempo do que se usasse a antiga máquina de escrever.

Ubaldo celebrizou Itaparica (Bahia), onde nasceu em 1941. Por exigência do pai, Manuel Ribeiro, iniciou os estudos com o auxílio de um professor particular, aos 7 anos de idade. Foi o pai quem promoveu a aproximação sem volta entre o menino e os clássicos. Era dono de uma biblioteca de respeito, e nela Ubaldo pôde passar os olhos pela primeira vez em obras de Montaigne, Machado de Assis, Shakespeare e Homero.

O ensino formal se deu a partir de 1951, em Salvador, onde estudou na mesma escola do cineasta Glauber Rocha. Dedicado e leitor inveterado, graduou-se em Direito pela Universidade Federal da Bahia, em 1962. Também trabalhou na imprensa nesse período, no Jornal da Bahia. Já escritor consagrado, a partir dos anos 1990, foi cronista dominical do paulistano O Estado de S. Paulo e do jornal carioca O Globo.

Um pouco de si

Para o autor do livro Ubaldo: Ficção, Confissão, Disfarce e Retrato (Vieira & Lent, 2016), Juva Batella, por meio dos romances que escreveu, Ubaldo falava um pouco de si e da própria vida. Além desse viés, Ubaldo era muito técnico e exigente. Seu livro Sargento Getúlio (1971) foi reescrito 17 vezes. Um recurso textual marcante destacado por Batella – que também é sobrinho de Ubaldo –, é o discurso indireto livre, em especial em Viva o Povo Brasileiro (1984), livro que o impressionou. “Ubaldo pratica o discurso indireto livre, recurso que dá a impressão de o narrador estar ao lado de determinado personagem e conduzir a narrativa a partir dele, tornando-se um narrador em terceira pessoa muito próximo desse personagem”, explica Batella. “No caso de Viva o Povo Brasileiro, desenvolve um personagem com uma almazinha que percorre vários séculos da história do país e vai encarnando em personagens específicos que são representativos de uma ideia de identidade brasileira. Encarna no índio, no soldado, em uma guerrilheira. Assim vemos os cruzamentos da literatura brasileira através das encarnações dessa almazinha.”

Na TV, no cinema e no teatro

A qualidade literária de Ubaldo ganhou imagem e som na TV e se desdobrou nos palcos, sendo um dos maiores sucessos do teatro brasileiro. A adaptação de A Casa dos Budas Ditosos (1999) trouxe Fernanda Torres em monólogo adaptado e dirigido por Domingos de Oliveira. A primeira vez que entrou em cartaz foi em 2004 e retornou para temporadas em 2015 e 2016.

No cinema, O Sargento Getúlio, filme de 1983, foi dirigido por Hermano Penna e teve Lima Duarte como ator principal. O Sorriso do Lagarto virou trama de minissérie de TV em 1991 e o conto O Santo que Não Acreditava em Deus foi roteirizado por Ubaldo e dirigido por Cacá Diegues. O filme, lançado em 2003, recebeu o título Deus é Brasileiro e foi protagonizado por Antônio Fagundes e Wagner Moura.

Intelectual engajado

A pesquisadora Angela Antunes fez sua tese de doutorado pela Universidade de São Paulo analisando Viva o Povo Brasileiro em contraste com o livro Nosso Musseque, do angolano João Luandino Vieira. Ela se lembra com carinho do encontro que teve com o autor baiano em dezembro de 2010. Foi recebida por Ubaldo para tratar de sua obra e seu fazer literário. “Ele assumiu, majestosamente, o papel de um escritor intelectual, uma vez que apresentou leituras plurissignificativas, perspectivas da história brasileira diferentes daquelas oferecidas pelas representantes da memória oficial e da identidade nacional”, defende.

A gramática própria e o estilo único do escritor também ganharam leitores de outros países. Com a Alemanha dizia ter um vínculo cultural, motivado pela temporada vivida no país como bolsista da DAAD (German Academic Exchange Service durante os anos 1990), e como colunista do jornal alemão Diet Zeit. A experiência no país resultou no livro Um Brasileiro em Berlim (1995). Foi publicado em mais de 15 línguas, entre elas espanhol, finlandês, francês, hebraico, norueguês e esloveno. Cuidadoso, foi ele mesmo quem traduziu para o inglês suas obras mais famosas, Sargento Getúlio e Viva o Povo Brasileiro.

Em janeiro de 2016, marco dos 75 anos do autor – que morreu em decorrência de embolia pulmonar em 2014 –, foi inaugurado um memorial em sua homenagem na Biblioteca Juracy Magalhães Júnior, em Itaparica. O local reúne cartas, manuscritos e objetos pessoais de Ubaldo.

Universo especial

Análise sobre a construção dos romances ubaldianos descreve particularidades da criação de personagens e enredos

Ouniverso literário de João Ubaldo é especial, fruto de um homem de muita erudição. Para Angela Antunes, especialista na obra do escritor, diante do seu percurso pessoal e formação erudita, o autor “teceu um texto literário dinâmico e transculturador em um espaço no qual as confluências, as inquietações, as buscas, as afirmações, o entrecruzamento do legado erudito com o popular são perceptíveis em seus romances”.

De acordo com a pesquisadora, seus livros se configuram como narrativas imbricadas com as matrizes culturais do próprio escritor e marcadas pela história, cultura, política e a problemática do perfil identitário nacional. Escreve, essencialmente, sobre o povo brasileiro: baiano, sergipano, nordestino, carioca, rural e urbano, branco, negro, mestiço, tal como ressalta João Ubaldo na capa do livro Vila Real: “Procuro, basicamente, fazer uma literatura vinculada às minhas raízes, independente, não colonizada, comprometida com a afirmação da identidade brasileira”.

Em outro exemplo, o romance Viva o Povo Brasileiro, vemos uma imagem rica e densa de significados culturais e étnicos da alma brasileira, a trama e as personagens miscigenadas, como: Capiroba, Vu, Patrício Macário, Maria da Fé, Dadinha, Vevê, Nego Leléu, Barão Perilo Ambrósio, Amleto, Bonifácio Rufio, Turíbio. São tipos brasileiros que se repetem e reforçam a formação de ser brasileiro: revolucionário, utópico, bom anfitrião, corrupto, antropofágico, lutador, cativante, oprimido. Angela explica ainda que a convivência nem sempre harmônica de múltiplas tendências gera eventuais conflitos que suscitam o dinamismo, a vitalidade e a flexibilidade da cultura.

Contextos literários

Projeto reconstitui fabulário do escritor baiano

A primeira edição de 2017 do projeto Contextos Literários, no Sesc Consolação, teve como tema a obra de João Ubaldo Ribeiro. A programação incluiu o lançamento do livro Ubaldo: Ficção, Confissão, Disfarce e Retrato (Vieira & Lent, 2016), escrito por Juva Batella e ilustrado pela filha de Ubaldo, Chica Batella. Na ocasião, Chica compartilhou a criação da série de desenhos, 17 no total: “Não tem a ver com o Ubaldo escritor, mas com o meu pai”. Logo depois da morte do pai, Chica começou a desenhar, motivada pelas lembranças afetivas e objetos pessoais do autor, que se tornaram marca registrada: “O primeiro desenho foi do chinelo de dedos; se tinha que usar sapato ele preferia não sair de casa”, lembrou.

A peça A Casa dos Budas Ditosos foi encenada em curtíssima temporada no Teatro Anchieta durante o mês de fevereiro. No dia 22 de fevereiro, o músico Wagner Tiso compartilhou o processo de construção dos arranjos e da trilha sonora da minissérie O Sorriso do Lagarto, da qual foi autor dos arranjos e da trilha original, intercalando músicas ao som do piano. Para o dia 3 de março está programada uma mesa de reflexão aberta ao público sobre Viva o Povo Brasileiro, com Letícia Malard, Rodrigo Lacerda e mediação de Manuel da Costa Pinto. Em 9 de março, a viúva de João Ubaldo encontra o escritor e jornalista Ignácio de Loyola Brandão, para compartilharem aspectos da vida e da obra do autor, conversa mediada por Nelson de Oliveira.

Confira a programação Contextos Literários: João Ubaldo Ribeiro no Portal SescSP

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece no Livre Opinião – Ideias em Debate? É só seguir os perfis oficiais no Twitter, InstagramFacebook e Youtube. A cultura debatida com livre opinião

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s