Lucimar Mutarelli lança o romance ‘Dois Garotos’ em São Paulo. Leia um trecho.

A escritora Lucimar Mutarelli realiza o lançamento e sessão de autógrafos, no sábado (27), às 17h00, do romance Dois Garotos (Chiado Editora) na Livraria Cultura, no Conjunto Nacional, da Avenida Paulista.

Dois garotos conta a história de Leonardo e seu sonho de sair de casa para ir morar com seu amante Felipe. Seu desejo acaba afetando a sua família e seus amigos. O volume traz ainda o texto adaptado para o cinema, roteirizado pela própria autora após a participação no Laboratório Novas Histórias Sesc/Senac.

Segundo a autora Regina Jungueira: “Compulsiva no teclado e no raciocínio, Lu mete zoom nas feridas, faz fusões não só de cenas, mas de pessoas, gera elipses como únicos momentos de sutileza no seu texto. Povoa seu microcosmo com figurantes como Renato Russo, Richard Gere, Nossa Senhora da Aparecida, Caio Fernando Abreu, David Cronenberg, Duendes da morte, Anne Hathaway, Cinema, aspirinas e urubus. Um compêndio dos modismos, neuras, preconceitos e crenças da sua geração.”

Lucimar Mutarelli foi feita em Minas e nasceu em São Paulo (1969). É professora, livreira, escritora e roteirista. Publicou Impessoal, Entre o Trem e Plataforma, Férias na Prisão, Terceira Pessoa e Só aos Domingos. É casada com Lourenço, mãe de Francisco e de 4 gatas: Mia, Mentira, Doutura e Gepreta. Gosta de ser chamada de menina, ô mãe, tia, madrinha e Lucy. Lucimar também é colunista do Livre Opinião, clique aqui e leia as publicações da autora.

Prefácio – por Adriana Simão

Lucimar Mutarelli em seu Dois Garotos revela a esperança de Leo em se libertar da família, ‘cuidar da própria vida’ e, finalmente, viver seus sonhos: ele tem dezoito anos

A vida romanceada com Felipe em Paris ou Nova Iorque e o sucesso de seus desfiles e coleções inesquecíveis, ele sonha

Leo quer ser feliz

Enquanto ele não vive, é o filho mais velho de uma família descompassada – como todas as famílias, de fato, são. Seu irmão Maurinho, o outro garoto, é um fantasma à luz do dia, jovem demais para ser alguém

O pai é dessas pessoas barulhentas que não tem muito que dizer e escapam entre os dedos: o Zé transborda ausência para impor presença

Helena – a mãe – está acostumada a escolher os bons entre os ruins: os ruins ela separa num canto. É assim com o feijão e com seus ‘dois’, ‘três garotos’

Se puder lhe dar um conselho: não julgue, mas entenda Helena. Vá com ela à feira e ao baile de Carnaval, lave roupa, pegue a toalha, prepare o almoço e não se esqueça do jantar, assista à novela e, então, leve Helena para passear

O olhar demasiadamente humano sobre a realidade que cerca estes personagens ecoa nossa própria humanidade: às vezes amarga e grotesca, mas com a esperança de que alguém cuide de nossa vida com alguma compaixão. Esse mesmo olhar nos desperta o desejo de salvar o Leo, o Maurinho, a Helena e o Zé, até o Zé queremos salvar e queremos ser salvos também

Não conte com o fim do livro: onde termina o romance começa o filme

Tudo igual e ao mesmo tempo novo, com lacunas para completar as impressões iniciais ou simplesmente contemplar

Se me permite outro conselho, leia no volume máximo.

Lucimar Mutarelli

Trecho de Dois Garotos

Que porra de bosta de vida é essa? Agora eu tenho dezoito anos, ninguém pode mandar mais na minha vida além de mim. Imagina falar pro Felipe que o meu pai não deixa eu sair pra passar o final de semana com um amigo? Ele vai pensar que eu sou uma criança, um coitado imaturo… Ai, meu Senhor, me ajuda!

Gente, que zona a minha mesa. Nossa, que linda essa moça. Será que eu consigo copiar esse vestido? Adoro esse tecido, caimento bárbaro

Felipe nojento. Nem uma mensagem pra avisar se foi viajar ou não. Vontade de ligar na cara dura e cobrar mesmo. Não é possível que este homem esteja me enrolando. É tão incrível quando a gente fica junto. Eu gosto tanto de conversar e transar com ele. A Gabi não acredita, acha que ele tá me enganando. A Gabi tá com ciúme, pensa que a gente vai ficar de novo. Não rola, amor, não rola mesmo. O Fê é o homem da minha vida. Vou fazer outro desenho pra ele. Ficou todo orgulhoso, disse que ia guardar no escritório e, quando montar nosso apartamento, vai deixar uma parede inteira só para os meus desenhos. Eu mereço? É muito lindo. Olha essa boca. Gostoso. Tão perfeito.

Lançamento do livro Dois Garotos (Chiado)
de Lucimar Mutarelli
Data: sábado, 27 de maio
Horário: 17h00
Local: Livraria Cultura, Conjunto Nacional, Av. Paulista, 2073 – Consolação, São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s