MASP apresenta ‘Toulouse-Lautrec em vermelho’, a maior exposição dedicada à obra do artista francês

18739662_10154794579526025_1623232606997603188_n

O MASP apresenta “Toulouse-Lautrec em vermelho”, a maior exposição dedicada à obra do francês Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901) já realizada no Brasil. Em torno do tema da sexualidade, a mostra conta com 75 obras, entre pinturas, cartazes e gravuras, que estão entre as mais emblemáticas do artista.

0119 PDas onze obras de Toulouse-Lautrec da coleção do MASP, a maior e mais importante em um museu da América Latina, 9 estarão expostas; as demais serão empréstimos de alguns dos principais museus e coleções particulares do mundo, tais como Musée d’Orsay, de Paris; Tate, de Londres; The Art Institute of Chicago; National Gallery of Art, de Washington; Museo Thyssen-Bornemisza, de Madrid; e Rijksmuseum, de Amsterdã.

Toulouse-Lautrec foi um dos artistas centrais da Paris do final do século 19, ao capturar a efervescência noturna da capital que despertava para a modernidade, quando suas ruas foram iluminadas a gás e as mais diversas figuras passaram a se encontrar nos espaços públicos, entre burgueses, boêmios, prostitutas, dançarinos e artistas. Inteiramente concebida e organizada pelo MASP, Toulouse-Lautrec em vermelho traz cenas de apresentações em cabarés, danças em bares, bailes de máscaras, retratos de figuras da sociedade e do célebre bairro Montmartre, que lhe renderam a fama ainda em vida. A exposição traz também cenas interiores das maison closes, como eram chamados os bordéis da época, com suas trabalhadoras em momentos de descanso e intimidade, em seus afazeres cotidianos.

0117 P
Com curadoria de Adriano Pedrosa, diretor artístico, e Luciano Migliaccio, curador adjunto de arte europeia e assistência de Mariana Leme, “Toulouse-Lautrec em vermelho” dialoga de maneira próxima com outras duas exposições que também abrem no mesmo dia, em um eixo pautado por representações da prostituição. Uma delas reúne fotografias de Miguel Rio Branco feitas em torno da prostituição no bairro do Pelourinho, em Salvador, em 1979; a outra exibe três vídeos de Tracey Moffatt — Puta, Other e Love —, feitos a partir de colagens de cenas de vídeo do cinema de Hollywood do século 20.

Essas três mostras, por sua vez, estão em diálogo com outras monográficas: de Teresinha Soares e Wanda Pimentel, atualmente em exibição no 2º subsolo e mezanino do 1º subsolo, respectivamente; e, no segundo semestre, de Guerrilla Girls, Pedro Correia de Araújo (1874-1955) e de Tunga (1952-2016). Todas essas exposições voltam-se para a mostra coletiva “Histórias da sexualidade”, que também reúne obras de diferentes períodos, territórios, meios, e com núcleos dedicados à prostituição, ao nu, ao homoerotismo, aos jogos sexuais, ao ativismo feminista e queer, entre outros.

0120 P

Exposição Toulouse-Lautrec em vermelho
Sexta, 30 de junho às 10:00 – 18:00
MASP – Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand
Avenida Paulista, 1578, São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s