Sesc-SP realiza a quarta edição do CIRCOS – Festival Internacional Sesc de Circo. Confira a programação

unnamed (4)

À Õ Làng Phõ (Foto: Dragon Images)

De 9 a 18 de junho de 2017, o Sesc SP realiza a quarta edição do CIRCOS – Festival Internacional Sesc de Circo, trazendo um abrangente panorama atual da produção circense, com uma programação espalhada por 13 unidades do Sesc na capital paulista que inclui 31 ações artísticas e 15 atividades formativas.

O espetáculo vietnamita “A O Lang Pho – O Vilarejo e A Cidade”, inédito na Américas, abre o festival, no dia 9 de junho de 2017, no Sesc Vila Mariana. Com manipulação de bambus, acrobacias, dança contemporânea e música, a companhia conduz o espectador por um fascinante mergulho nas dicotomias desse país asiático,representado, em exuberantes metáforas visuais, as transições ocorridas nas últimas décadas, contrapondo a rica tradição do interior à acelerada urbanização nas cidades.

Se nas edições anteriores o festival abordou as transformações pelas quais o circo e a cidade vêm passando, sua dramaturgia e questões sobre virtuose e (des)virtuose, desta vez, o olhar é lançado para o que é centro e o que é borda. Importam as relações, os encontros, o trânsito e o que trans-borda. Para o circo não há fronteira entre centro ou periferia: o picadeiro é um espaço de intercâmbio onde artistas de diferentes países mesclam suas identidades. O resultado dessa linha de pensamento se evidencia no atual CIRCOS, composto por espetáculos multiculturais que exploram questões contemporâneas como a fragilidade humana, a velocidade das mudanças nas grandes cidades ou a convivência entre distintas culturas.

Para o diretor regional do Sesc, Danilo Santos de Miranda, “o festival CIRCOS vem a ser um momento muito especial para o Sesc, no qual grupos nacionais e estrangeiros ocupam praças, palcos e outros espaços de apresentação para um congraçamento junto aos seus mais diversos públicos. Trata-se de oportunidade relevante para reafirmar uma vocação de criatividade e beleza, de transformação das dinâmicas cênicas que, em diálogo contínuo, fazem a produção contemporânea do Circo mundial se confrontar, se revelar e se atualizar com a tradição da linguagem”.

São 13 atrações internacionais, todas inéditas em São Paulo, e 18 nacionais, das quais oito são estreias. Esta edição cresce em número de sessões: ante as 105 de 2015, temos 130 em 2017, de 14 diferentes países, além do Brasil: Argentina, Austrália, Canadá, Espanha, França, Itália, Peru, Suécia e Suíça, além da Alemanha, Finlândia, Holanda, Uruguai e Vietnã, que participam pela primeira vez do evento.

Mais de 200 artistas, com suas diferentes experiências e formações, que participam de espetáculos que vão do lúdico ao extraordinário – para crianças e adultos -, estarão nessa nova edição do CIRCOS, que teve, nos anos 2013, 2014 e 2015 um público total de 110 mil pessoas.

unnamed (5)

O Sapateiro (Jura Lisboa)

Os espetáculos internacionais

Todos os espetáculos internacionais do CIRCOS 2017 são inéditos, e pela primeira vez o festival faz três estreias mundiais:Mythe_ Jeux De RefusMito_Jogos de Recusa (Brasil/Canadá), Tempo e(m) Movimento (Brasil/Alemanha) e Fritos Refritos(Argentina). Na edição deste ano, destacam-se as montagens de origens territoriais híbridas, ou seja, no elenco há artistas de diferentes nacionalidades. Outra característica forte é a volta ao Brasil de profissionais que estavam atuando em outros países, que trazem consigo experiências das grandes escolas circenses amalgamadas às suas memórias, identidades e referências.

Em Mythe_ Jeux De Refus – Mito_Jogos de Recusa, o brasileiro Marcos Nery e a canadense Ivanie Aubin-Malo, ameríndia da aldeia Malecite de Viger, no Québec, mesclam acrobacia, jogos cênicos e dança para abordar temas sensíveis ao universo ameríndio como o mito da criação, o xamã e o mundo dos espíritos, o caçador e a caça, além de questões ligadas à colonização e à descolonização.

A partir de uma pesquisa realizada com artistas de palco e picadeiro que vivem no Retiro dos Artistas (RJ), a trapezista e dançarina aérea brasileira radicada há 20 anos na Alemanha, Rosiris Garrido, construiu Tempo e(m) Movimento. A artista reflete sobre jovialidade e maturidade utilizando metáforas em cadeira de balanço, ampulheta e pêndulos de segurança.

O argentino Chacovachi (referência como bufão na América Latina) junta-se a sua conterrânea Maku Fanchulini para levar seu humor ácido e rebelde às ruas, festivais e picadeiros do mundo todo, e faz isso com maestria desde a década de 1980. Fritos Refritos reflete de maneira bem-humorada sobre o papel desse personagem farsesco e os absurdos da vida cotidiana.

Quatro espetáculos aportam pela primeira vez nas Américas: Violeta (Espanha), com eletrizantes números de mastro chinês, trapézio e roda alemã, Tetris (Holanda), em alusão ao famoso jogo eletrônico da década de 1980, All Genius All Idiot – Genial e Idiota (Suécia) que questiona o que nos torna um gênio e o que nos torna um idiota e A O Lang Pho – O Vilarejo e A Cidade(Vietnã), que faz a abertura do festival no Sesc Vila Mariana.

Além disso, destacam-se os espetáculos Concerto pour Deux Clowns – Concerto para Dois Clowns (França/Uruguai), que discute a figura do palhaço na atualidade; Santa Madera (Argentina/França/Suíça), sobre as tradições indígenas da América do Sul e questiona religião, multiculturalismo e identidade, e Knee Deep – Pisando em Ovos (Austrália), que explora a força e a fragilidade humanas a partir de cenas ousadas e repletas de precisão técnica, como pisar em dúzias de ovos sem que eles se quebrem.

Evidenciando o eixo curatorial do festival, duas companhias híbridas – formadas por brasileiros em atuação no exterior – completam a programação internacional do evento: Apesar (Brasil/França) e Dois (Brasil/Finlândia).

unnamed (6)

Rastros (Foto: Guilherme Maia)

Os espetáculos nacionais

Oito produções nacionais (incluindo espetáculos e intervenções) estreiam no CIRCOS, em 2017. De São Paulo, Piccola Memória, que reúne artistas primorosos da área circense para colocar em cena uma autobiografia ficcional de uma família do picadeiro no início dos anos 1900. SobrevoltaS resulta da parceria da companhia Circo Enxame com o Circo Mínimo, com os intérpretes refletindo sobre o fazer circense e a arte do picadeiro. Telhado de Ninguém traz o cinema mudo como mote para o primeiro espetáculo infantil da Companhia do Polvo. Já Balbúrdia, apresenta as experiências profissionais e pessoais dos protagonistas misturando técnicas tradicionais e contemporâneas do circo.

Mais duas estreias nacionais, mas de outros estados, integram a programação. Figuras Mágicas faz uma mescla de artistas oriundos de Maceió, Recife e São Paulo para colocar em cena a mágica e a cultura popular brasileira, combinadas às referências europeias. Durante o festival o espetáculo recebe o mágico peruano Bruno Tarnecci para o número de abertura. O Sapateiro, de Criciúma (SC), transforma tudo: mala em um minipicadeiro e pares de sapato em trapezistas e equilibristas, instigando a imaginação dos espectadores.

Duas montagens de grandes estruturas, uma do Rio de Janeiro e outra de São Paulo, se destacam na programação. Rastros(RJ), inédito em São Paulo, foi concebido a partir da reunião de fotografias, poemas e textos coletados pelos integrantes do grupo em suas lembranças pessoais. Para colocar essa memória coletiva em cena, os artistas utilizam contorcionismo, acrobacia, trapézio e dança para apresentar uma narrativa surrealista. Noite da Rose, nasceu do movimento de ocupação do espaço público na praça Roosevelt, em São Paulo, onde sobreviveu apenas do dinheiro arrecadado na “passagem do chapéu”. No Festival apresenta em uma edição especial, com artistas virtuosos em diversas técnicas.

Capitais de outros estados como Salvador e Porto Alegre também participam do festival de 2017: Histórias Contadas de Cima(Bahia) põe cinco mulheres acrobatas, em performances aéreas na corda marinha, escada giratória e trapézio, instaladas a sete metros do solo, para fazer uma reflexão sobre as inquietudes da sociedade contemporânea e HumAnimaL (Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro), espetáculo do festival voltado à primeira infância. Com palhaçaria, dança e teatro e usando roupas que se assemelham a casulos e outros elementos do mundo animal, as intérpretes se transformam em joaninhas, tartarugas, cavalos e avestruzes que interagem e reagem ao ambiente.

Carta Branca e Íntimo, ambas produções paulistanas, trazem situações cotidianas representadas no universo circense. Segunda criação da Companhia do Relativo, a primeira usa e manipula bancos, bolas e tábuas de madeira. Já Íntimo, primeiro espetáculo adulto da companhia LaMala, explora a intimidade de um casal de acrobatas,, tanto do ponto de vista dorelacionamento entre duas pessoas, quanto de dois corpos que se conhecem e trabalham em sintonia para levar ao público o virtuosismo daquele que aprofunda sua pesquisa diante de um desafio e o transforma em risco, em circo.

Um freak show de humor ácido. Assim é Animo Festas (São José dos Campos – SP), idealizado por Marcio Douglas, criador da La Cascata Cia. Cômica, que encarna o anti-herói da palhaçaria. Seu personagem, Klaus, sobrevive de performances em festas infantis e narra suas memórias no “submundo” desses eventos, ao som de rock, música francesa e trilhas infantis dos anos 1980.

unnamed (7)

Fritos Refrito (Foto: NIK)

Intervenções

Quatro intervenções integram a programação do CIRCOS de 2017. A dupla mineira de acrobatas Pedro Guerra e Liz Braga, doColetivo na Esquina, que transita entre Brasil e Europa, mostra a inédita Abasedotetodesaba, palíndromo que dá título à performance que simboliza essa vida pendular e diálogo sobre a saudade.

Em A Sanfonástica Mulher Lona, uma intervenção intimista em que a soteropolitana Lívia Mattos, musicista, circense e socióloga, apresenta um miniconcerto. A artista percorreu o Brasil e o Cabo Verde pesquisando arquétipos presentes na memória afetiva do circo e coloca em cena, munida de sua inseparável sanfona, pequenos contos que misturam ficção e realidade.

A dupla paulistana César Rossi e Daniele Rosendo fazem Devaneio, que põe em cena uma roda Cyr para realizar uma performance de improvisação que une música e acrobacia. Percha no Asfalto, da Companhia do Asfalto (SP), apresenta uma técnica especial: a percha. Devido a seu alto grau de dificuldade, hoje a técnica é pouco praticada no mundo.

unnamed (8)

Sobrevoltas (Foto: Paulo Barbuto)

Ações formativas

Com 15 ações formativas, o CIRCOS 2017 propõe um intercâmbio cultural, bem como a projeção e a expansão dos saberes do universo circense – sob o olhar de diversos profissionais, por meio de mesas, encontros, cursos e laboratórios.

Entre os destaques estão o Laboratório de Crítica de Circo, com o jornalista e crítico de espetáculos Valmir Santos (Folha de S.Paulo) que discutirá linguagens, estéticas e vocabulários circenses nesta atividade voltada à produção de conteúdos críticos sobre espetáculos de circo.

O bufão argentino Chacovachi, referência latino-americana na arte da palhaçaria, aborda questões filosóficas, ideológicas, teóricas e práticas sobre o ofício de clown e as especificidades das performances de rua no curso Manual e Guia do Palhaço de Rua. O artista abrirá espaço para que os palhaços brasileiros coloquem suas técnicas à prova e sejam avaliados por seus pares ao longo do curso.

Voltada à colaboração, atualização e ampliação dos artistas, a mesa Difusão e Circulação: Experiências do Circo, com Jan Leca (SP), Jean Marc (FRA) e Kiki Muukkonen (SUE), proporciona um debate sobre os caminhos possíveis para o desenvolvimento econômico e criativo do circo atualmente, com artistas e representantes de iniciativas privadas de fomento à linguagem circense – com foco na promoção de pesquisas, criação, difusão e circulação.

Outras temáticas como fotografia, trilha sonora e dramaturgia, todas voltadas para o universo do circo, serão realizadas durante o festival, com inscrições a partir de 20 de maio.

unnamed (9)

DOIS (Foto: André BAumecker)

Programação – ESPETÁCULOS INTERNACIONAIS

 

A O Lang Pho – O Vilarejo e A Cidade (Vietnã) | Nouveau Cirque du Vietnam

INÉDITO NA AMÉRICA

Recomendação etária: livre | Duração: 60 min. | R$ 40 | R$ 20 | R$ 12

Acrobacia, dança contemporânea e música ao vivo conduzem o espectador por um fascinante mergulho nas dicotomias desse país asiático, resumidas aqui no título “A O”, que deriva das palavras “Lang Pho”, respectivamente vila e cidade. Cestos de vime, objetos de madeira e, principalmente, bambus, são manipulados em movimentos precisos pelos artistas da companhia vietnamita. O espetáculo representa, em exuberantes metáforas visuais, as transições ocorridas nas últimas décadas, contrapondo a rica tradição do interior à acelerada urbanização nas cidades.

Ficha técnica | Concepção e criação: Tuan Le, Nguyen Lan Maurice, Nguyen Nhat Ly e Nguyen Tan Loc | Elenco: Bui Quoc Huy, Dang Tram Anh, Dinh Van Tuan, Do Manh Hung, Le Ly Xa, Nguyen Khanh Linh,  Nguyen Nhat Quang, Nguyen Ton Doan Khanh, Nguyen Thi Lien,  Nguyen Van Thanh,  Pham Van Son, Quach The Nam, Tran Ban Tin, Tran Duc An e Truong Chinh Phu | Músicos: Do Trong Thai, Luong Thang Long, Nguyen Truong Tho, Thanh Hai e Nguyen Thi Phuong Thao | Direção: Tuan Le e Nguyen Nhat Ly (musical) | Produção no Brasil: Santa Paciência Produções Culturais / Marisa Riccitelli

09.06 – sexta, 21h00 | Sesc Vila Mariana | Teatro

10.06 – sábado, 15h e 21h00 | Sesc Vila Mariana | Teatro

11.06 – domingo, 16h | Sesc Vila Mariana | Teatro

 

Knee Deep – Pisando em Ovos (Austrália) | Casus Circus

INÉDITO NA AMÉRICA DO SUL

Recomendação etária:  12 anos | Duração: 60 min. | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

O espetáculo do grupo australiano Casus Circus explora a força e a fragilidade humanas, características que fundamentam também a arte circense. Números de acrobacia e outras técnicas são realizados ao som de músicas de Carla Bruni, Gil Scott Heron e Philip Glass. O nome é uma expressão em inglês que demonstra como podemos ficar atolados, mergulhados em situações do dia a dia que podem ser muito delicadas e exigem equilíbrio. Isso transparece em todas as cenas.

Ficha técnica | Concepção e elenco: Natano Faanana, Jesse Scott e Lachlan Mcaulay | Cocriadora: Emma Serjent | Produção no Brasil: Trixmix / Raquel Rosmaninho | Apoio: Embaixada da Austrália

09.06 – sexta, 21h | Sesc Belenzinho | Teatro

10.06 – sábado, 21h | Sesc Belenzinho | Teatro

11.06 – domingo, 18h30 | Sesc Belenzinho | Teatro

 

Santa Madera (Argentina/França/Suíça) | Cie MPTA – Juan Ignacio Tula & Stefan Kinsman

INÉDITO NO BRASIL

Recomendação etária: 14 anos | Duração: 50 min. | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

O suíço Stefan Kinsman e o argentino Juan Ignacio Tula realizam um jogo no qual a roda Cyr aparece como elemento principal, em movimentos precisos que questionam religião, multiculturalismo e identidade. Inspirados por esse símbolo – a roda – o espetáculo resgata uma tradição de indígenas sul-americanos, que, durante as festas, usavam uma “madeira santa” para afastar maus espíritos ou comemorar ligações de fraternidade.

Ficha técnica | Concepção e interpretação: Juan Ignacio Tula e Stefan Kinsman | Produção no Brasil: Circus Produções Culturais / Paulo Aliende | Apoio: Consulado Geral da França em São Paulo e Institut Français Brasil | Divulgação: Consulado Geral e Centro de Promoção da República Argentina

Obs: O espetáculo utiliza luz intermitente em alguns momentos

09.06 – sexta, 21h30 | Sesc Pompeia

10.06 – sábado, 21h30 | Sesc Pompeia

11.06 – domingo, 19h | Sesc Pompeia

 

Menu del Giorno – Menu do Dia (Itália) | Cia Bellavita

INÉDITO NO BRASIL

Recomendação etária: livre | Duração: 40 min. | Grátis

Num cenário que recria o ambiente de uma típica trattoria italiana, daquelas cujas mesas são cobertas por toalha xadrez vermelha, dois palhaços-garçons provocam o riso em situações inusitadas manipulando pratos, garrafas, copos e o que mais encontrarem pela frente. Embalados por canções típicas, os artistas Andrea Farnetani e Antonio Tremani, da companhia romana Bellavita, trazem ao público um cardápio bem-humorado com ingredientes que vão da alegria à tensão.

Ficha técnica | Concepção e elenco: Antonio Tremani e Andrea Farnetani | Produção no Brasil: Márcia Nunes

09.06 – sexta, 14h | Ocupação Sesc Pq. Dom Pedro II

10.06 – sábado, 14h | Sesc Itaquera | Praça de Eventos

11.06 – domingo, 14h | Sesc Itaquera | Praça de Eventos

12.06 – segunda, 13h | Sesc Consolação | Hall do Teatro Anchieta

13.06 – terça, 14h | Sesc Carmo | Praça do Poupatempo

15.06 – quinta (feriado), 16h | Sesc Belenzinho | Praça de Eventos

17.06 – sábado, 17h | Sesc Bom Retiro | Área de Convivência

18.06 – domingo, 14h | Sesc Santana | Área de Convivência

Mythe – Jeux De Refus |Mito – Jogos de Recusa | (Brasil/Canadá) | Ivanie Aubin-Malo e Marcos Nery

ESTREIA MUNDIAL

Recomendação etária: 12 anos | Duração: 65 min. | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

A cultura indígena do Brasil e do Canadá é o ponto de partida de Mito – Jogos de Recusa. Acompanhado por uma trilha sonora composta de canções tradicionais desses povos, o espetáculo é formado por nove quadros encenados pelo brasileiro Marcos Nery e a canadense Ivanie Aubin-Malo, ameríndia da aldeia Malecite de Viger, no Québec. Juntos, eles mesclam acrobacia, teatro e dança para abordar temas sensíveis ao universo ameríndio como o mito da criação, o xamã e o mundo dos espíritos, o caçador e a caça, além de questões ligadas à colonização e à descolonização.

Ficha técnica | Concepção e criação: Marcos Nery | Elenco: Ivanie Aubin-Malo e Marcos Nery | Produção no Brasil: Equi|ibre Produção Cultural / Fernanda Vilela

09.06 – sexta, 21h | Sesc Bom Retiro | Teatro

10.06 – sábado, 21h | | Sesc Bom Retiro | Teatro

11.06 – domingo, 18h | Sesc Bom Retiro | Teatro

Apesar (Brasil/França) | Cie Sôlta

INÉDITO EM SÃO PAULO

Recomendação etária: livre | Duração: 50 min. | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

“Viver juntos, apesar de tudo” é o mote do espetáculo criado em 2014 pela dupla franco-brasileira da Cie Sôlta. Dois personagens, sozinhos há muito tempo, dentro de um universo fantástico, no qual são guiados apenas pela imaginação em meio ao século XIX trazendo inquietações presentes até hoje. Acrobacia, equilibrismo e mastro pendular estão entre as técnicas utilizadas pelo duo, que atua ao som de trilha sonora composta por Tom Prôneur, cantos e leituras de textos.

Ficha técnica | Concepção, direção e elenco: Alluana Ribeiro e Tom Prôneur | Produção no Brasil: Difusa Fronteira / Felipe Gonzalez.

10.06 – sábado, 14h e 21h | Sesc Santana | Teatro

11.06 – domingo, 19h | Sesc Santana | Teatro

Concerto pour Deux Clowns – Concerto para Dois Clowns (França/Uruguai) | Cie Les Rois Vagabonds

INÉDITO EM SÃO PAULO

Recomendação etária: 12 anos | Duração: 70 min. | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

Ao longo do espetáculo, peças de Vivaldi, Strauss e Bach são executadas por dois clowns, que se revezam entre os instrumentos, a mímica e as acrobacias. Roupas extravagantes e nariz vermelho não são usados apenas para provocar risos, mas, para melhor expor seus personagens, emocionar e maravilhar a plateia. Mais do que se considerar tradicional ou contemporânea, a dupla francesa Les Rois Vagabonds prefere se apresentar como “poetas em ação”.

Ficha técnica | Concepção e interpretação: Igor Sellem e Julia Moa Caprez | Produção: Les Rois Vagabonds | Produção no Brasil: Arte Rumo Produções Artísticas / Raquel Dammous

13.06 – terça, 21h | Sesc Bom Retiro | Teatro

14.06 – quarta, 21h | Sesc Bom Retiro | Teatro

15.06 – quinta (feriado), 18h | Sesc Bom Retiro | Teatro

All Genius All Idiot – Genial e Idiota (Suécia) | Svalbard Company

INÉDITO NA AMÉRICA

Recomendação etária: 14 anos | Duração: 55 min. | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

O espetáculo questiona o que nos torna um gênio e o que nos torna um idiota. Extravagante e ultrajante em igual medida, a montagem se revela nos absurdos da vida, usando a arte circense para destacar o comportamento humano em sua forma mais primitiva e animal. Quatro acrobatas de diferentes países (Espanha, Inglaterra, Suécia e Alemanha) exibem suas habilidades em mastro chinês, corda aérea, equilíbrio de mãos e acrobacias, atuando ao som de uma vibrante trilha sonora executada ao vivo.

Ficha técnica | Concepção e elenco: Benjamin Smith, John Simon Wiborn, Tom Brand e Santiago Ruiz Albalate | Produção: Josefin Lindberg, Rabbit & Wolfgang Hoffman e Aurora Nova | Produção no Brasil: João Carlos Couto

15.06 – quinta (feriado), 18h | Sesc Vila Mariana | Teatro

16.06 – sexta, 21h | Sesc Vila Mariana | Teatro

17.06 – sábado, 21h | Sesc Vila Mariana | Teatro

18.06 – domingo, 18h | Sesc Vila Mariana | Teatro

Dois (Brasil/Finlândia) | Luís & Pedro Sartori do Vale

INÉDITO EM SÃO PAULO

Recomendação etária: 12 anos | Duração: 55 min. | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

Após uma trajetória artística distinta, os irmãos Luís e Pedro Sartori do Vale dividem o palco pela primeira vez, num espetáculo que explora as relações de cumplicidade, fraternidade, intimidade e rivalidade. Inspirada por contos clássicos, memórias pessoais, jogos, brincadeiras e armadilhas, a dupla mineira que se reencontrou na Europa usa de suas similaridades e diferenças para construir uma performance bem-humorada, na qual realizam acrobacias e manipulação de objetos e praticam uma paixão em comum: o arco e flecha.

Ficha técnica | Concepção e elenco: Luis Sartori do Vale Pedro Sartori do Vale Iluminação: Jere Mönkkönen Trilha Sonora: Petteri Rajanti Produção: WHS (FI) Co-Produção: Theater op de Markt / Dommelhof (BE)| Produção no Brasil: Agentz Produções

15.06 – quinta (feriado), 17h | Sesc Santana | Teatro

16.06 – sexta, 21h | Sesc Santana | Teatro

17.06 – sábado, 21h | Sesc Santana | Teatro

18.06 – domingo, 17h | Sesc Santana | Teatro

Fritos Refritos (Argentina) | Chacovachi e Maku Fanchulini

ESTREIA MUNDIAL

Recomendação etária: 12 anos | Duração: 60 min. | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

Referência em arte cômica na América Latina, o bufão argentino Chacovachi leva seu humor ácido e rebelde às ruas, festivais e picadeiros do mundo todo desde a década de 80. Neste espetáculo em parceria com a conterrânea Maku Fanchulini, a dupla realiza números em que nunca se sabe de antemão o que acontecerá: a cada performance, eles adaptam o conteúdo ao clima e à plateia. Fritos Refritos reflete de maneira bem-humorada sobre o papel desse personagem farsesco e os absurdos da vida cotidiana.

Ficha técnica | Direção: Chacovachi | Elenco: Chacovachi e Maku Fanchulini | Produção no Brasil: Difusa Arueira / Paula Rocha | Divulgação: Consulado Geral e Centro de Promoção da República Argentina.

16.06 – sexta, 21h | Sesc Pompeia | Teatro

17.06 – sábado, 21h | Sesc Pompeia | Teatro

18.06 – domingo, 19h | Sesc Pompeia | Teatro

Tempo e(m) Movimento (Brasil/Alemanha) | Rosiris Garrido

ESTREIA MUNDIAL

Recomendação etária: 14 anos | Duração: 50 minutos | R$ 30 | R$ 15 | R$ 9

Usando como suportes uma cadeira de balanço, uma ampulheta e pêndulos de segurança para marcar a passagem do tempo, a trapezista e dançarina aérea Rosiris Garrido faz de seu corpo um instrumento para refletir sobre o comportamento social, a terceira idade e a dicotomia entre jovialidade e maturidade, tanto nas artes corporais como em sua própria vivência como artista. Brasileira radicada há 20 anos na Alemanha, Rosiris construiu o espetáculo a partir de uma pesquisa realizada com artistas de palco e picadeiro que vivem no Retiro dos Artistas (RJ).

Ficha técnica | Direção e preparação mímica: Alvaro Assad | Concepção, ideia original e elenco: Rosiris Garrido | Produção executiva: Renata Garrido | Produção: Almamel Produção cultural.

13.06 – terça, 21h | Sesc Belenzinho | Sala de Espetáculos

14.06 – quarta, 21h | Sesc Belenzinho | Sala de Espetáculos

Tetris (Holanda) | ARCH8

INÉDITO NA AMÉRICA

Recomendação etária: livre | Duração: 55 min. | R$ 20 | R$ 10 | R$ 6 (Sesc Bom Retiro) | Grátis (demais unidades)

O premiado espetáculo do grupo holandês ARCH8 inspira-se no tradicional jogo de encaixe não para interrogar como você pode se enquadrar no mundo, mas para colocar em questão como modificá-lo. Numa performance interativa que explora os corpos dos artistas, o quarteto destaca a maneira como nos conectamos uns aos outros, a partir de técnicas e linguagens distintas em circo, mímica, acrobacia, ginástica e jogos cênicos.

Ficha técnica | Elenco: Kim Jomi Fischer, Mayke van Kruchten, Paulien Truijen e Ryan Djojokarso | Coreografia: Erik Kaiel | Produção no Brasil: Cena Cult Produções / Júlia Gomes | Apoio: Reino dos Países Baixos

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s