Santiago Santos: Das responsabilidades de um pai de família

unnamed

 

O soro vem diluído na água, se esquivando das garrafas pet, das latinhas e dos pedregulhos, se encaracola num arame ou outro, vai fluindo, passa pelos enormes túneis de canalização, onde tremelica sob as estruturas que solfejam de acordo com os carros e ônibus que ladeiam as ruas acima, segue entre as rampas de concreto, reluzente sobre o verde arrastado das algas ranhentas, atravessa o último túnel, mais largo e cavernoso, onde as ratazanas trazem seus filhotes como os humanos levam os seus à praia (sem as cadeiras de sol), e salta novamente pro frescor da luz e desvia das pedronas e desemboca no rio Cuiabá, com uma chance de 50% de colidir e ser filtrado pela nuvem enorme de produtos químicos formada na desembocadura pro rio.

Escolho o soro que não é filtrado pela nuvem, abro o bico, deixo a papinha entrar e engulo. Crá-craaaaa-crá. Rançoso, como sempre. Mas cheio dos nutrientes (alguns deles mortíferos). Abro as asas, pulo e plano sobre a água corrente, passando por baixo da ponte, agradecendo o dia nublado que não crava mais um peso metafórico nas minhas costas, e sigo por algumas curvas até a abertura na mata que dá no laboratório. É um dia como qualquer outro. Meus companheiros tuiuiús vão chegando aos poucos, de baixo e de cima do rio, e formamos a fila. Não gosto muito de conversa fiada, então evito puxar papo essa hora, que aliás é quando os sintomas do soro começam a se manifestar e se forma a nebulosa de peidos, o que também explica porque evito ficar com o bico aberto nessa pestilência.

Na minha vez, atravesso o portal desmagnetizador e vejo o doutor lendo algo na tela. Ele se vira e pergunta se vou bem, se estou sentindo algo fora do normal. Digo que não e que eu e minha família estamos muito bem, obrigado. Ele me encaixa no tomógrafo, liga a luz roxa e observa a tela. Ali, remexendo no meu estômago, o soro, o suco gástrico e os outros fluídos. Ele pinga um composto dentro do meu bico.

Poucos segundos depois, todo o conteúdo do meu estômago começa a fermentar e borbulhar e sinto um arroto chegando. O doutor pede pra eu segurar. As borbulhas vão crescendo e crescendo e tenho que travar tudo na garganta e enfim o líquido se acalma e o doutor apanha a rede pastosa que parece um filtro dos sonhos encaixado na ponta de uma vara de plástico. Solto o arrotão e assopro e as gosmas na rede balangam e trocam de cor. Ele observa a metamorfose por alguns segundos, prega uma etiqueta na vara e deposita num tupperware. Quando o empilha sobre as outras amostas do dia, chama o próximo.

Na saída, o auxiliar me dá uma sardinha, espera eu engolir e pendura uma sacola biodegradável no meu bico. Sobrevoo os companheiros na fila, descendo o rio até nossa árvore careca e o ninho, meu e de mais cinco comparsas. Meus pequenos Robinho, Tobinho e Dobinho, colados um no outro e tremendo de frio, esperam eu depositar a sacola no fundo do ninho e futricar com o bico até revelar a sardinha picotada. Avançam. Flora, minha vizinha, já está ali com os seus filhotes. Pergunto se ela viu por onde anda minha parceira, a Suzy.

Você conhece a Suzy, ela diz, deve tá na gandaia ainda.

Apesar de fazer um puta esforço pra ignorar o tom condescendente e acusatório da vizinha, penso que é verdade, a Suzy tá passando dos limites. Vamos ter uma conversa séria quando ela chegar.

santiago santos

 

Parceria Flash Fiction
Arte da vitrine por Jean Fhilippe

Leia mais textos de Santiago Santos

flash-fiction

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s