Aline Bei: escolhas

Aline Bei lança nesta sexta-feira o romance O peso do pássaro morto em São Paulo, clique aqui e saiba mais

Wassily-Kandinsky-Composition-7-1913

Arte de Wassily Kandinsky

 

olhei o mar. a praia ao redor, algumas pessoas. os corpos

das pessoas

denunciavam o tempo

que elas estavam na

Terra

40 anos, 65, 13, o que são

os anos? quem decidiu guardar 365 dias numa caixa

e isso ser a marca da vida de alguém, morreu aos 70, números contando ao invés de palavras. morreu mãe de martha e ângelo. ou. morreu sonhando em andar de barco. seria mais bonito

do que morreu aos 20, aos 58,  diria mais sobre a pessoa morta, o que é o tempo se não um jeito de lembrarmos que nada é nosso? quero chegar logo em casa, costumamos dizer.  mas estamos envelhecendo

as paredes também. estar vivo é se despedir longamente

de tudo,

quando alguém morre nunca mais é visto

a não ser que seja

gêmeo. olhei o mar de novo. na barraca da frente

uma piscina de plástico

do tamanho de uma bacia, a criança dentro, o mar pra ela era aquilo

enquanto a mãe tomava sorvete

e o pai ajeitava o cordão da sunga pra depois

mergulhar num salto

fiquei esperando

a cabeça voltar

pra superfície

 

 

imagina?

 

morrer assim, por escolha. com calma e sem planejamento

embaixo d`água de repente não voltar

 

 

mas o pai

voltou

 

logo sua cabeça estava reinando de novo

acima das águas

 

balançando com as

ondas

não porque ele queria mas porque o mar é quem dita

o ritmo

 

e a esposa levantou da cadeira pra jogar o palito.

a bunda dela

era alta

parecia um implante

a criança na piscina

ainda distraída

com a água pouca e aquele mundo

de areia e mãe.

o pai voltou do mar.

deu um beijo na esposa que lhe perguntou qualquer coisa e ele disse que

não.

de repente apareceu um cachorro

correndo, um cachorro de ninguém, ele

corria pela praia não por fuga, pelo ato,

o movimento das patas

fazia a areia

voar

pros cabelos pernas bocas

mas não era

agressivo, era

uma inocência

por isso as pessoas riram

pra ele, depois

entre elas

depois seguiram

conversando

o pai sentado na cadeira

a mãe

sentada na cadeira

o filho ainda na piscina mas já a beira

do cansaço.

o cachorro seguiu correndo

agora em direção ao mar.

deu um salto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e nada da cabeça voltar.

 

aline bei

Leia os textos anteriores da escritora Aline Bei 

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece no Livre Opinião – Ideias em Debate? É só seguir os perfis oficiais no TwitterInstagramFacebook e Youtube. A cultura debatida com livre opinião

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s