Cordel do Fogo Encantado está de volta

Grupo anuncia novo álbum para abril e disponibiliza nas plataformas de streaming os três primeiros trabalhos.

CFE por Tiago Calazans 03

Cordel do Fogo Encantado (Foto: Tiago Calazans)

Uma das bandas de maior destaque da cena musical brasileira, Cordel do Fogo Encantado, traz Lirinha (voz e pandeiro), Clayton Barros (violão e voz), Emerson Calado (percussão e voz), Nego Henrique (percussão e voz) e Rafa Almeida (percussão e voz) juntos depois de oito anos. Após diversas especulações acerca de uma possível volta, finalmente, eles anunciam o lançamento do quarto disco para 06 de abril e em breve serão divulgadas as datas dos shows.

Além disso, a partir de hoje, o público poderá conferir os três álbuns do grupo em todas as plataformas de streaming, a discografia completa foi remasterizada. São eles: Cordel do Fogo Encantado (2001), produzido por Naná Vasconcelos, O Palhaço do Circo Sem Futuro (2002), co-produzido pelos próprios integrantes e por Buguinha Dub e Ricardo Bolognine e Transfiguração (2006) produzido por Carlos Eduardo Miranda e Gustavo Lenza.

Novo disco

Com o título de Viagem ao Coração do Sol, o quarto álbum do grupo, produzido por Fernando Catatau, vai apresentar ao público canções que ficaram guardadas e outras que foram compostas no último ano. “Fizemos uma opção estética de não sermos um grupo de releitura ou de glorificação do passado. As novas letras vão dialogar com os sentimentos humanos, com aquilo que nos cerca. Já musicalmente, o Cordel mantém a característica de sempre surpreender”, diz Lirinha.

Gravado no Estúdio El Rocha, em São Paulo, e em Fortaleza no Totem Estúdio, o disco será uma continuidade no processo criativo da banda. “A mística que envolve o Cordel se manteve suspensa durante esses anos. Inicialmente, éramos um grupo de teatro, o nome da banda era o título de um espetáculo sobre o fogo encantado. No nosso primeiro disco contamos este cordel, ou seja, esta história. Depois falamos de um palhaço de um circo sem futuro, uma metáfora da existência humana, e, por fim, na turnê do álbum Transfiguração, apresentamos um cenário que se recolhe para uma espécie de pausa, algo bem significativo para o momento em que se deu, mesmo não sendo planejado”, conta o vocalista. Portanto, para a volta do grupo, serão apresentados elementos que remetem a essa narrativa do terceiro disco, “agora é momento de sair para o sol, florescer, caminhar em direção à luz, sair de dentro da terra, rasgar o casulo”, completa Lirinha. Na iluminação de palco, contam com um antigo parceiro da banda, o iluminador Jathyles Miranda, que acompanha o grupo desde o início.

A capa do disco foi desenvolvida pelo estúdio de design Savia Design & Branding e traz diferentes elementos, como a luz, o raiar, o vento e o otimismo representados na forma de um personagem, uma vez que esses símbolos transitam por todo o disco. “Criamos uma figura de luz, uma persona do movimento, que nasce da terra como um sopro de otimismo e cor”, comenta Lucas Bacic, que assina a direção criativa ao lado de Lucas Falcão.

A volta

O grupo costumava dizer, nos tempos de Cordel, que a banda só iria acabar se o fogo, elemento vital que os uniu, se extinguisse. Em 2010, quando anunciou sua saída do grupo, Lirinha o fez por motivos pessoais: “Estava há 13 anos sem pausa no Cordel e senti uma necessidade pessoal de experimentar outras formas de compôr. Mas o fogo se manteve aceso, as pessoas que admiravam o trabalho não deixaram a chama se apagar”. Então, ficou sempre uma esperança. “Quando nos reencontramos, parecia que estávamos apenas continuando um assunto que tinha ficado no ar. Não teve nenhum estranhamento, somos como uma família, descobrimos muitas coisas juntos. Com certeza é uma retomada em um mundo bem diferente, nós também mudamos, mas a essência permaneceu”, conta o líder do grupo que lançou dois discos em carreira solo, Lira (2011) e O Labirinto e o Desmantelo (2015).

A decisão de reunir a banda novamente foi há 01 ano, mas ao longo dos 08 que se passaram tiveram diversos momentos que foram como sinais de que a volta era só uma questão de tempo. Lirinha lembra do velório de Naná Vasconcelos, ano passado. Considerado uma autoridade mundial na percussão, o músico pernambucano foi um dos padrinhos do Cordel do Fogo Encantado, uma vez que produziu o primeiro disco da banda e também por tê-los incentivado a criar uma nova linguagem para a música. “Então, quando estávamos reunidos no dia em que ele faleceu, comentamos que tínhamos que voltar para cantar para Naná”, relembra Lirinha. E completa: “Alguns momentos me deram muita saudade do Cordel, foi quase impossível não pensar neste retorno. Queria muito que Naná tivesse visto a volta, então, a morte dele mexeu comigo”.

Outro compositor do grupo, Clayton Barros, que lançou o disco A Idade dos Metais com a banda Os Sertões em 2012, comenta que a possibilidade da volta sempre existiu e quando foi definida eles se mantiveram calados trabalhando em um planejamento que se concretiza em 2018. “Foi um pouco estranho ter que omitir sobre a volta e, ao mesmo tempo, estar no estúdio gravando. Tudo isso trouxe uma questão emocional que tive que lidar. E agora estou na expectativa de como vai ser, afinal, o mundo mudou bastante desde que anunciamos o fim da banda. Estou bastante curioso para ver o que vem por aí”, diz.

Já Emerson Calado, um dos percussionistas do grupo, conta que foi um período importante para que cada integrante pudesse afirmar as próprias identidades. Desde 2010, ele trabalhou em diferentes projetos, como a banda Nume, e foi o responsável pela direção musical do espetáculo de teatro mineiro Teia, dentre outras iniciativas.

cordelviagemaocoracaodosol

Capa do álbum ‘Viagem ao coração do sol’, do Cordel do Fogo Encantado (Arte de Lucas Basic e Lucas Falcão)

Parceiro de Emerson na percussão, Nego Henrique participou de alguns projetos sociais, estudou produção e direção musical, e o destaque fica para o projeto de canto negro com a cantora e produtora cultural Karynna Spinelli. Juntos cantam em iorubá, na linha de terreiro de candomblé.

O terceiro percussionista, Rafa Almeida, que tinha 17 anos quando entrou na banda, conta que estava esperando pela volta há dois anos. “Sinto que o Recife, e até uma parte do Brasil, perdeu um pouco sem a música do Cordel, que é tão forte”, diz. E completa: “Está sendo muito bom voltar a tocar, as músicas antigas e novas, enfim, é algo muito grande, viver esse novo momento é inexplicável. E estamos com a mesma energia”. Durante este tempo, Rafa tocou e gravou discos com Vitor Araujo, além de fazer participações especiais, tocando com Karynna Spinelli, João do Morro, Lucas dos Prazeres, dentre outros.

No ano 1997, em Arcoverde, sertão de Pernambuco, no Nordeste brasileiro, surgiu um grupo cênico-musical, compartilhando o teatro e a poesia oral e escrita dos cantadores e ritmos afro-indígenas da região. E, dessa mistura, nasceu o espetáculo: Cordel do Fogo Encantado.

Cordel é sinônimo de história de um povo em forma de poesia. Enquanto, Fogo é o elemento mais representativo do lugar de origem e da intenção músico-poética inconstante e mutável do grupo. Já Encantado ressalta a visão fantástica e profética dos mistérios entre o céu e a terra.

Por dois anos, o espetáculo, sucesso de público, percorreu o interior pernambucano.

No carnaval de 1999, o Cordel se apresentou no Festival Rec-Beat, em Recife, e adaptou a narrativa do Fogo Encantado aos palcos de rua. Nisso, a estreia no carnaval pernambucano chamou a atenção da crítica, e o que era, até então, sucesso regional, ultrapassou as fronteiras, ganhando visibilidade em outros estados e a condição de revelação da música brasileira.

Foi quando a banda consolidou sua formação definitiva com os arcoverdenses José Paes de Lira (Lirinha), Clayton Barros e Emerson Calado, e os percussionistas recifenses, Nego Henrique e Rafael Almeida (do Morro da Conceição).

Através da poesia de Lirinha, a força do violão de Clayton, a referência rock de Emerson e o peso da levada dos tambores dos ogãs Rafa e Nego Henrique, o Cordel do Fogo Encantado passou a percorrer o país, conquistando a todos com suas apresentações únicas e antológicas. Surpreendendo não somente, pela ousada mistura sonora, mas também, pela intensidade cênica de seus integrantes e os requintes de um projeto de iluminação e cenário.

Em 2001, com a produção musical de Naná Vasconcelos, o grupo lançou seu primeiro álbum: Cordel do Fogo Encantado. A evolução artística ampliou ainda mais o alcance do som da banda que, atuando de forma independente, por onde passava, ganhava mais público e atenção da mídia.

Em 2003, o grupo lançou seu segundo registro de estúdio: O Palhaço do Circo Sem Futuro, co-produzido pelos próprios integrantes e por Buguinha Dub e Ricardo Bolognine. O álbum foi considerado pela crítica especializada um dos mais inventivos trabalhos musicais produzidos nos últimos anos. Em turnê, seu show ganhou projeção internacional, com apresentações na Bélgica, Alemanha, França e Portugal.

Em outubro de 2003, o Cordel do Fogo Encantado lançou o DVD “MTV Apresenta”, o primeiro registro audiovisual da banda. “Transfiguração”, terceiro álbum, lançado em setembro de 2006, com produção de Carlos Eduardo Miranda e Gustavo Lenza, e mixagem de Scotty Hard, vem transformar, ainda mais, a linha tênue entre poesia, artes cênicas e música, firmando o Cordel do Fogo Encantado como um dos grupos mais representativos no cenário da música independente nacional.

Entre os prêmios conquistados pelo grupo estão o de banda revelação pela APCA (2001), melhor grupo nacional pelo BR-Rival (2002), Caras (2002), TIM (2003), Qualidade Brasil (2003), bicampeonato do prêmio Hangar (2002 e 2003) e APCA, como melhor compositor nacional, Lirinha (2006).

No cinema, a banda participou do filme de Cacá Diegues, Deus é Brasileiro, e do documentário O Homem que Engarrafava Nuvens, de Lírio Ferreira.Em fevereiro de 2010, após 13 anos de trabalho ininterrupto, a banda anunciou a paralisação de suas atividades.

No início de 2017, o Cordel do Fogo Encantado voltou a se reunir para a criação de um novo disco, que será lançado em abril de 2018, e turnê, que dará início logo em seguida.

2018 – Quando a banda surgiu, em 1999, viu de perto o fim do poder das grandes gravadoras e em 2018, voltarão em um universo bastante diferente em várias frentes, incluindo novas formas de divulgar e consumir música. “A obra do Cordel se tornou rara, pois não lançamos o trabalho nas plataformas de streaming e nem fizemos novas prensagens dos álbuns”, comenta Lirinha. Inclusive, a procura pela discografia foi também uma das motivações para a volta: “a procura é bem grande, sempre recebemos mensagens de fãs nos perguntando sobre os discos, foi aí que começamos a entender a importância da história do grupo. Então, fomos convocados a nos mexer e organizar tudo”, diz o compositor.

 

PARA OUVIR:

Apple Music
Spotify
Deezer
Google Play

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s