Cia Mungunzá de Teatro estreia ‘Epidemia Prata’ no Sesc 24 de Maio

Com direção de Georgette Fadel montagem comemora 10 anos do grupo paulista e traz para o palco um ano de vivência à frente do Teatro de Contêiner

 Epidemia Prata - Crédito Mariana Beda

Inspirada nos meninos prateados que se pintam para fazerem malabares nos faróis e pedirem esmolas nos metrôs da capital paulista, a Cia Mungunzá de Teatro estreia EPIDEMIA PRATA, no dia 23 de maio, quarta-feira, às 21 horas, no Teatro do Sesc 24 de Maio dentro do projeto Cenas do Centro. Montagem, que tem direção de Georgette Fadel, comemora 10 anos do coletivo e devolve ao público de forma engajada e poética a experiência vivida em um ano no centro de São Paulo, desde a criação do Teatro de Contêiner Mungunzá.

Texto autoral com supervisão dramatúrgica de Verônica Gentilin, que está em cena ao lado de Gustavo Sarzi, Leonardo Akio, Lucas Beda, Marcos Felipe, Pedro Augusto e Virginia Iglesias, EPIDEMIA PRATA apresenta uma costura entre duas linhas narrativas: a visão pessoal dos atores sobre os personagens reais que conheceram em sua atual residência no Teatro de Contêiner, no Centro da capital paulista, e o mito da Medusa, que transforma pessoas em estátuas.

A abertura do Teatro de Contêiner, que aconteceu em março de 2017, levou um amadurecimento ao grupo e também criou uma relação mais afetiva com São Paulo. “Acabamos por apresentar novas vias de atuação. Novos formatos de políticas públicas. O nosso espaço se relaciona diretamente com a cidade e com os moradores do centro, seja por meio da arquitetura ou da dinâmica que criamos sem divisões”, explica o ator Marcos Felipe.

Metal

Para Georgette Fadel, o espetáculo é uma pequena gira teatral. Dura. Sólida. “Nessa gira, a poesia, como um rato, deve se espremer pelos cantos para superar um céu de metal. Repleto de imagens e predominantemente performático e sinestésico, o universo prateado, na montagem, assume uma infinidade de conotações que vão desconstruindo personagens estigmatizados pela sociedade e compartilhando a sensação de petrificação diante de tudo”, explica a diretora.

 

O menino responde – ao ser indagado do porque de seu corpo estar pintado de prateado pra pedir esmola – que prata dá mais prata. Segundo Fadel, ele quer dizer que ser de prata, ser de metal e todas as leituras decorrentes disso, tem mais valor e merece mais cuidado que ser de carne e osso.

“O caminho que o atual sistema percorre sem retorno e sem saída é o da consolidação do indivíduo que é pura matéria incomunicável, impermeável e insensível. E como uma máquina feita pra emperrar, esse sistema deve ser destruído porque não se movimenta mais e, portanto, é a morte da inteligência, da sensibilidade, do que é sutil, do que é vivo”, acredita a diretora.

Apesar de levar à cena o endurecimento do ser humano e o fim da sutileza e da comunicação, EPIDEMIA PRATA não tem o objetivo de ser um espetáculo de denúncia e sim de alavancar a poesia. “Faço junto com a Cia Mungunzá um alerta desse endurecimento, do parafuso emperrado que não deixa o mundo girar como deveria, mas que também nos coloca como observadores dessa miséria”, conta Georgette Fadel.

Céu invertido

Um chão todo azul com apenas uma carcaça de piano, uma tampa de bueiro e dois mil reais em moedas de cinco centavos a cenografia de EPIDEMIA PRATA se completa com uma tela de projeção em cima do palco. A tela mostra imagens relacionadas com objetos duros e de metais. “É a inversão do céu e terra, onde ninguém tem chão e o céu pode ser cruel”, diz a diretora.

Com a tela de projeção cobrindo todo o espaço superior, a luz da montagem será feita totalmente pelas laterais do palco sem nenhuma utilização das varas de iluminação. Outra novidade do espetáculo é a presença de instrumentos de sopro de metal, como trompete, tuba, flauta e trombone. Todos os sete atores aprenderam a tocar os instrumentos que fazem, também, metáforas com os cachimbos de crack, tão presentes no cotidiano da região onde está instalado o Teatro de Contêiner Mungunzá.

Regado à dureza do metal, EPIDEMIA PRATA faz contraponto com uma montagem sensorial e plástica num flerte com a dança, sendo que os sete atores foram preparados pela bailarina e coreógrafa Juliana Moraes.

Projeto Cenas do Centro

Como parte integrante da ação de criar uma relação identitária com seu público, o Sesc 24 de Maio convida Companhias estabelecidas no centro de São Paulo a apresentarem seu trabalho, abrirem seus processos criativos e discutirem com o público as particularidades de seu trabalho e as influências do contexto em que está inserido socialmente. O conjunto de atividades envolve artistas enraizados na região central, buscando explorar suas características e as influências da diversidade presentes no centro da capital em seus textos, encenações e modos de criar no teatro. A programação inclui ações formativas, como debates entre os criadores convidados, e espetáculos do repertório dos grupos.

EPIDEMIA PRATA – Estreia dia 23 de maio, quarta-feira, às 21 horas, no Teatro do Sesc 24 de Maio. Argumento e Texto – Cia. Mungunzá de Teatro. Supervisão Dramatúrgica – Verônica Gentilin. Direção – Georgette Fadel. Codireção – Cris Rocha. Assistente de Direção – Victor Djalma Amaral. Preparação Corporal – Juliana Moraes. Direção Musical – Bruno Menegatti. Elenco – Gustavo Sarzi, Leonardo Akio, Lucas Beda, Marcos Felipe, Pedro Augusto, Verônica Gentilin e Virginia Iglesias. Vídeos – Flavio Barollo. Arquitetura Cênica – Leonardo Akio e Lucas Beda. Figurino – Sandra Modesto. Desenho de Luz – Pedro Augusto. Materiais Gráficos – Leonardo Akio. Fotos de Divulgação – Letícia Godoy e Mariana Beda. Produção Executiva – Lucas Beda, Marcos Felipe, Sandra Modesto e Virginia Iglesias. Produção Geral – Cia Mungunzá de Teatro. Coprodução – Cooperativa Paulista de Teatro. Duração – 80 minutos. Espetáculo recomendável para maiores de 14 anos. Temporada – 23 de maio a 15 de junho, de quarta a sexta-feira, às 21 horas (sessões extras nos dias 16 de junho, sábado, às 21 horas e 17 de junho, domingo, às 18 horas). Ingressos – R$ 40,00 (inteira); R$ 20,00 (estudante com carteirinha e aposentado) e R$ 12,00 (credencial plena).

SESC 24 DE MAIO – TEATRO – Rua 24 de Maio, 109 – República. Telefone: (11) 3350-6300. Capacidade – 216 lugares. Horário de funcionamento da Bilheteria – De terça a sábado das 9h às 21h e domingo e feriado das 9h às 18h (ingressos à venda em todas as unidades do SESC).  www.sescsp.org.br.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s