Projeto Olhar Circular faz exibição gratuita de cinema em Andradas

Filme “Tapete Vermelho” será exibido em sessão especial na terça-feira

 OLHAR CIRCULAR_ANDRADAS_CRÉDITO_VALÉRIA FREITAS (2)

Começaram neste mês as oficinas de fotografia e cultura do projeto Olhar Circular em Andradas (MG). Nesta nova etapa do projeto, pelo menos 60 alunos, incluindo cidadãos de outros estados brasileiros e haitianos, com idades entre 16 e 80 anos do programa Escola de Jovens e Adultos (EJA) participam.

Um dos destaques do projeto são as sessões abertas de cinema intituladas Cine Olhar, promovidas não somente aos participantes da oficina, mas a todos os moradores da cidade. A primeira deste ano ocorre na próxima terça-feira (28) às 19h na Escola Municipal José Bonifácio. A entrada é gratuita e aberta a todo público interessado.

O filme escolhido para esta edição é “Tapete Vermelho”, que conta a saga de um homem para levar o filho ao cinema. Na trama, Quinzinho, interpretado por Matheus Nachtergaele tem uma promessa a cumprir: levar seu filho, Neco (Vinícius Miranda), à cidade para assistir a um filme do Mazzaropi. Eles moram num pequeno sítio no interior de São Paulo. Nessa verdadeira odisseia por cidades do interior paulista, ele também leva sua esposa Zulmira (Gorete Milagres), que parte a contragosto, e o burro Policarpo. Na jornada, eles encontram peculiaridades regionais e passam por situações mágicas, relacionadas à crendice popular. O longa tem direção de Luiz Alberto Pereira e roteiro de Rosa Nepomuceno.

A escolha do filme ocorreu de acordo com as questões socioculturais apresentadas pelos próprios alunos, sendo que a sua maioria viveu durante longos períodos na zona rural e estes possuem uma relação sentimental com a experiência de ida ao cinema, assim como a personagem de Nachtergaele.

Público do EJA

Conforme explicam as gestoras do projeto, as produtoras culturais, Valéria Freitas e Larissa Freitas, o convite para atender os estudantes do EJA partiu de uma demanda da Secretaria Municipal de Educação de Andradas em função dos dados de analfabetismo, que conforme a pesquisa mais recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) beira os 11%.

“É um número que estava aumentando muito, bem como o número da população em razão dos trabalhadores rurais que vem de outros estados e até mesmo países. A secretaria possui outras atividades que estimulam a permanência, mas o Olhar Circular é o um projeto de cunho extremamente social, que prioriza a escuta das vivências individuais e coletivas e que colabora para que os alunos transponham através das artes visuais suas narrativas”, explica Larissa Freitas.

De acordo com Valéria Freitas, as técnicas de fotografia serão repassadas de forma lúdica. “A maioria dos alunos não sabe ler ou escrever e nunca usou uma câmera fotográfica, mas queremos que eles possam ter a oportunidade de olhar para seu cotidiano a partir de uma nova perspectiva, sendo a fotografia a ação segundaria deste movimento. A maioria deles trabalha nas indústrias, roseiras, plantações de café em Andradas e para nós, do Olhar Circular, também será uma experiência inédita de aprendizado”, destacou.

De acordo com a Secretária de Educação de Andradas, Elvira Ansani Nogueira, Andradas é uma cidade promissora, haja vista que muitas famílias chegam ao município em busca de empregos nas áreas de confecções, indústrias de louça sanitária, produção de rosas, de bolachas e na colheita de café.

“Foi constatado que muitos deixaram de frequentar as escolas para trabalharem e outros nunca sentaram nos bancos escolares. Para resolver de vez esse problema, a Secretaria de Educação oferece vagas na Modalidade EJA (Educação de Jovens e Adultos). Esse curso é muito procurado, e para torna-lo mais dinâmico, oferecemos aulas complementares. Estamos muito felizes com o novo Projeto Olhar Circular, que trará cultura e entretenimento aos nossos alunos, que, além disso, terão oportunidade de assistir uma sessão de cinema. Esse projeto irá agregar conhecimentos nunca vistos pelos nossos alunos, despertando sensibilidade através de lentes e proporcionando novos olhares para o mundo em que vivem”, destacou.

Para o estudante José Carlos Anastácio, de 57 anos, voltar a estudar é uma vitória. “Voltar a estudar é sempre bom. A gente vai viver, aprender, aprender, aprender e morrer sem saber nada.  Cada coisa que a pessoa aprende, ela está indo para frente. Ela nunca volta. É importante cada coisa que aprendemos, seja na sala de aula, seja lá fora. Em qualquer lugar, é aprendizado”, comentou.

As oficinas

O projeto Olhar Circular ocorre há oito anos e tem como objetivo estimular adolescentes a dialogar sobre cultura, patrimônio, memórias e vivências e as oficinas são voltadas a fotografia e cultura. “Vamos trabalhar as artes como meio de construção ético sociocultural em conjunto com as comunidades”, disse Valéria Freitas.

Vale destacar que as oficinas terão mediação do fotógrafo João Fábio Matheasi e da produtora cultural Larissa Freitas. O material captado pelos alunos será publicado no site do projeto e na página do Facebook do Olhar Circular, construindo novas narrativas a partir das vivências e experiências individuais que eles terão ao longo do projeto.

No primeiro semestre deste ano, o Olhar Circular ministrou oficina a dezenas de alunos na Escola Padrão, na zona sul de Poços de Caldas. Eles inclusive fizeram fotos sobre preconceitos sofridos no dia a dia e o resultado deve ser uma exposição no final do ano. Os alunos também visitaram o Instituto Moreira Salles (IMS Poços), conhecendo exposições.

Olhar Circular
O projeto Olhar Circular ocorre desde 2008 e nas três primeiras edições realizadas através do Prêmio do BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Poços de Caldas, teve a experiência de realizar oficinas abertas à população de Poços de Caldas de todas as faixas etárias e contou com a participação de adolescentes, adultos e pessoas na terceira idade. Isso provocou um intercâmbio cultural entre gerações e deu ao projeto um caráter abrangente.

Nos anos seguintes, beneficiou mais de duas mil pessoas através das oficinas e workshops realizados em Poços de Caldas e Andradas com recursos das leis Rouanet e Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Neste segundo semestre o projeto ocorre com patrocínio da Icasa através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais. A realização é da Pomar Produtora Cultural, com apoio das Secretarias Municipais de Educação e de Cultura de Andradas.

Serviço – Mais informações podem ser encontradas no  site http://olharcircular.com.br/ ou pela página no Facebook: https://www.facebook.com/ProjetoOlharCircular/ e no Instagram: @olharcircular

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s