Literatices e outras conversas: “Querem matar a literatura portuguesa!”

Nos idos anos de 1990, quando, deliberadamente, a parte destinada à literatura (ficando esta inserida dentro de um contexto maior das “linguagens” – que, a meu ver, parece tudo englobar, mas nada explica especificamente) foi retirada do Exame Nacional do Ensino Médio, lembro que o jornal O Globo publicou uma interessante crônica, intitulada “Querem matar…

Confessionário

Essa é uma casa sem deus. Sem pedestais. Essa é uma casa horizontal: quisera sótão, quisera porão, mas tudo se mistura no carpete mofado da sala. É uma casa de cacos de espelhos distorcidos, de graus confusos. É uma casa de tempo, que passa majestoso. Uma casa de morte, nos lembrando do tempo vivido. Ainda…

Ah! se os objetos falassem…

Os arqueólogos se veem, rotineiramente, estupefatos pela dimensão idiossincrática dos bens materiais. Parece-nos, na maioria das vezes, que somos incapazes de capturar as histórias pessoais e as emoções mais primitivas investidas nestes bens ou objetos, aparentemente tão prosaicos. Quase todos nós possuímos objetos ou souvenires guardados desde nossa infância. Coisas simples e mundanas associadas a…

Mas ele não sabe quem foi Jane Austen

  Escrevi errado a palavra sobrancelha. Escrevi sombrancelha e dei enter.   Meu amigo Marcelo percebeu.   Me corrigiu com doçura, mas já era tarde. A Vergonha Tinha tomado conta de mim, como se eu tivesse Roubado dinheiro da própria carteira pensando que era de outro e, depois, percebo que não, percebo que a carteira…