Renata Py: Seu Guinga

  A bixinha nasceu bonita, coradinha que só. Doutor disse que sou um icosavô, isso quer dizer que sou o vigésimo avô da Darlene. O avô mesmo ela nem vai conhecer, a cirrose levou o pobre. Bebia até as tantas, arrumava alvoroço em cada esquina. Nem teve a felicidade de ver a bacurizinha, se tem…

O preço de ser escritor e editor independente, por Marcelo da Silva Antunes

Na contramão da crise editorial e das grandes livrarias fechando, o mercado independente só tem crescido nos últimos anos. Enquanto o foco das megaempresas é lucrar e lucrar sem ponderar nada, analisando comportamentos e dados estatísticos, essa conta não vai fechar, para vender pra robôs os livros não servem, não dão lucro o  suficiente. É…

Ivan Nery Cardoso: Mané

  Não bastava ser chamado de Mané – seu nome mesmo era José Manuel das Couves –, o Mané também era assombrado por fantasmas. Melhor dizer fantasma, no singular, pois era um, o mesmo, durante anos lhe fazendo aparições: um velho carrancudo, meio curvado, a cara toda quebrada por rugas. Usava a mesma roupa: terno,…

Renata Py: Amor por aí

  Em São Paulo, na sua caótica realidade, é possível encontrar numa caminhada sutilezas que contrastam com sua paisagem dolorosa. Como a resiliência de alguma muda de planta, que insiste em viver em meio ao concreto mal colocado, moradores de rua que lhe devolvem sorrisos em sua dura existência, milhares de dizeres em cartazes dos…