Ah! se os objetos falassem…

Os arqueólogos se veem, rotineiramente, estupefatos pela dimensão idiossincrática dos bens materiais. Parece-nos, na maioria das vezes, que somos incapazes de capturar as histórias pessoais e as emoções mais primitivas investidas nestes bens ou objetos, aparentemente tão prosaicos. Quase todos nós possuímos objetos ou souvenires guardados desde nossa infância. Coisas simples e mundanas associadas a…