Lançamento em São Carlos do livro ‘Corpo no outro corpo: homoerotismo na narrativa portuguesa contemporânea’, de Jorge Vicente Valentim

Nesta terça-feira (25), às 18h30, no Auditório da UEIM/CECH – no Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos (CECH/UFSCar) -, área Sul da UFSCar, será realizado o lançamento do livro Corpo no outro corpo: homoerotismo na narrativa portuguesa contemporânea, de Jorge Vicente Valentim. Publicado sob a chancela da EdUFSCar e com…

Lau Siqueira: “Sua piscina está cheia de ratos” – Breves anotações sobre a gestão cultural do governo Temer

O atual ministro da cultura do governo Temer, Marcelo Calero, tem se mostrado bastante intempestivo e flutuante. Parece um “menino buchudo”, como se diz aqui no Nordeste. Como se já não bastassem os problemas naturais de ocupar uma pasta tão fragilizada pela instabilidade econômica e política que abala o país. Entrou para o MinC sob…

Alejandro Reyes: “A relação entre literatura e militância é dada pela conjunção entre ética e estética”

No dia 16 de agosto o jornalista, escritor, tradutor e ativista mexicano Alejandro Reyes veio para a cidade de São Carlos-SP participar do Fórum de Debates, edição “O que está acontecendo no Brasil”. Esse evento é organizado pela Coordenadoria de Cultura da UFSCar para discutir o atual momento político do país. Nessa edição do Fórum…

Aline Bei: O queijo imortal

  seu Cheiro ficou nadando no meu nariz depois que você foi embora até o canto mais fundo já perto do crânio me fazendo botar a mão no rosto não sem certo desespero, querendo tirar o cheiro de mim e ele lá impregnado quando acordei no dia seguinte com resquícios seus. trôpega tentei terminar o…

Aline Bei: Laboratório

andei na praia aos 14 sem pensar em telefonar pra ninguém. era eu e uma turma de amigos também os pais da minha amiga, a casa com 4 andares. no último ficava o quarto mais bonito claro que era dos pais com janela de vidro desnudando Mar do alto, dando pra ver mais do mar…

POEMA LIVRE: Cutucar, de André Oviedo

CUTUCAR  mesmo sabendo que o gato atropelado na esquina de casa morreu a gente ainda cutuca. pega um graveto 
ou sutilmente usa o pé pra atestar o óbito o óbvio: morreu. tem estômago espalhado pela rua. o lance é que a gente não digere bem essa história de fim. veja só eu aqui: cutucando você…